terça-feira, 23 de junho de 2015

Diálogo entre o cérebro e o estômago

Diálogo entre o cérebro e o estômago
- Mas professor, e se um adolescente de 16 anos fizer mal para o seu filho, como você agiria?
- Bem, se eu o pegasse em flagrante, como ser humano, talvez eu tivesse uma reação inesperada, inclusive poderia agir cegamente e até matá-lo.
- Então, porque você é contra a redução da maioridade penal?
- Porque não planejamos e criamos regras de convívio social com o estômago, mas com a razão. Um adolescente que entre para a cadeia e fique lá 10 anos, ao sair, com 26, estará melhor ou pior?
- Mas você acha certo deixar solto um menor assassino?
- Nunca te disse isso. Ele deve ser preso, mas deve ser respeitada sua condição peculiar de desenvolvimento, ou seja, se está se desenvolvendo, sua punição pode e deve ser educativa. É o mínimo que se pode esperar de um educador... acreditar no ser humano.
- Eu também acho, mas ele deveria ser preso e ficar separado.
- Preso e separado onde?
- Na cadeia.
- Separado só se for do lado de fora, pois dentro não cabe ninguém. E outra, a Lei 8069/90 já prevê a prisão separada dos adolescentes, mas numa prisão em que haja estudo, trabalho, profissionalização e condições para crescer como cidadão.
- Mas não é cumprido!
- Olha o SUS, no papel é maravilhoso, mas não é porque funciona mal que vou pedir o fim do SUS, prefiro lutar pela sua melhoria.
- O adolescente é preso hoje e é solto hoje mesmo. No Brasil, adolescente pode roubar, matar, mas não pode ser preso.
- Já disse, preso pode sim. Se não é preso é porque alguém não está fazendo sua parte e nesse caso é o próprio Estado que quer colocá-lo na cadeia que está falhando ao não criar centros de internação.
- Ficam impunes!
- Não é isso que determina a lei. Podem ser obrigados a reparar o dano, prestarem serviços comunitários e até serem presos. A questão é: a prisão atual do adolescente deve, obrigatoriamente, por força de lei, obrigá-lo a estudar, trabalhar e aprender uma profissão. Na cadeia, aprenderá somente o crime e será aliciado, abusado e explorado pelo crime. Colocar um adolescente na cadeia é incentivar o crime, aumentar sua periculosidade e depois esperar, hipocritamente, que ele saia da cadeia melhor para o convívio social.
- Se ele souber que vai ser preso, vai pensar duas vezes.
- Pode pensar até 50 vezes, o problema não é esse. Vai para o crime, pois o crime lhe oferece oportunidades para saciar os desejos que nossa sociedade coloca nas cabeças dos jovens diariamente: ter, ter, ter.... Mas não vai mudar nada, pois se a ameaça surtisse efeito, os maiores de idade não seriam presos, pois todos adultos que comentem crimes sabem que serão presos e nem por isso deixam de cometer crimes.
- Está assustador, o crime só tem aumentado entre os jovens!
- Crimes pequenos como furto, roubo e a maioria são para conseguir dinheiro para usarem drogas. Nossos jovens estão abandonados e entregues para o tráfico.
- Falo de assassinatos, estupros...
- Assassinatos e estupros praticados por adolescentes entre 16 e 18 anos representam menos de 1% do total desses crimes. Não é porque o Datena mostra um caso todo dia e fica repetindo um mês que vamos entender errado.
- Então devemos deixá-los soltos?
- Aff... Vamos lá, releia nossa conversa. Não ficam soltos, são encaminhados para Centros de Internação, com grades, cerca elétrica, ficam proibidos de saírem, ficam presos. Mas é uma prisão que respeita o adolescente e lhe oferece oportunidades para melhorar através do estudo e do trabalho. A reincidência (retorno ao crime) entre adolescentes beira 30% quando são encaminhados para os Centros de Internação, já entre os adultos presidiários, chega a 70% o regresso ao sistema prisional. Não é racional adotar um sistema falido.
- Ah, professor, não adianta, o senhor não aceita a opinião dos outros.
- Aceito tanto que não lhe impedi de se expressar, o ouvi e respeito sua opinião, mas ela está errada, ou para aceitar tenho que concordar? Esqueceu-se que sou Cientista Social? Que sou especialista no assunto?
- Eu continuo sendo a favor.
- Por que?
- Porque..... tem que pagar.
- Vingança?
- É. Vingança, ele tem que sofrer.
- E depois? Quando ele voltar pra sociedade?
- Desisto professor. O senhor é muito intransigente.
- Se acha que defender uma tese e se negar a adotar outra porque possui argumentos racionais é ser intransigente, talvez eu seja. Mas uma coisa não nego: Ouvir o outro é algo muito positivo para formular nossa opinião. A questão é: A opinião de Ratinho e Datena merece tanto valor?
- Não penso como o Datena, tenho minha própria opinião.
- Sim, a do sendo comum.
- Não mudo de opinião.
- O problema do mundo é que muitos ignorantes estão cheios de certezas enquanto sábios vivem na dúvida. Fique na sua certeza e daqui 10 anos nos falamos. Você verá o resultado dessa política de vingança e "varreção do lixo pra debaixo do tapete".
- Abraço, professor, você é petista?
- Afff.... Vai dormir, moleque! rsrs

por Diney Lenon 


Visite o Blog do Prof Diney, CLIQUE AQUI

quinta-feira, 14 de maio de 2015

Atividades a serem desenvolvidas no Blog

Roteiro para a construção do Blog desenvolvido nas aulas de Sociologia:

1. Editar perfil:

"Esse blog é produto das oficinas "Cultura e Tecnologia, ministrado pelo Prof. Diney Lenon, nas aulas de Sociologia, Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza. Tem por objetivo abordar o tema XXXXXXXXXXXX e é composto pelos integrantes FULANO, CICLANO, da 2ª série do Ensino Médio.

2. Adicionar as página:

- Cultura Material
- Cultura Imaterial
- Vídeos
- Entrevistas
- Curiosidades
- Outra Página
- Outra Página (Ex: Página sobre Cinema pode criar : Vencedores do Oscar)

3. Adicionar gadget (miniaplicativo): Lista de Blogs

Adicionar o blog: www.cienciassociaisnarede.blogspot.com

Adicionar mais 9 blogs que têm ligação com a cultura e o tema abordado pelo grupo.

4. Selecionar uma imagem no google. Salvar a imagem e adicionar o gadget IMAGEM, postando a imagem no blog.

5. Selecionar um texto, frase, poesia, etc no google e adicionar o mesmo através de gadget TEXTO.

6. Adicionar o gadget APRESENTAÇÃO DE SLIDES. Incluir uma palavra na busca referente ao tema do blog.

segunda-feira, 27 de abril de 2015

Juizo. O maior exige do menor




Juízo acompanha a trajetória de jovens com menos de 18 anos de idade diante da lei. Meninas e meninos pobres entre o instante da prisão e o do julgamento por roubo, tráfico, homicídio. Como a identificação dos jovens infratores é vedada por lei, no filme eles são representados por jovens não-infratores que vivem em condições sociais similares. Todos os demais personagens de Juízo - juízes, promotores, defensores, agentes do DEGASE, familiares - são pessoas reais filmadas durante as audiências na II Vara da Justiça do Rio de Janeiro e durante visitas ao Instituto Padre Severino, local de reclusão dos jovens infratores.

Juízo atravessa os mesmos corredores sem saída e as mesmas pilhas de processos vistas no filme anterior de Maria Augusta Ramos, o premiado Justiça. Conduz o espectador ao instante do julgamento para desmontar os juízos fáceis sobre a questão dos menores infratores.
Quem sabe o que fazer? As cenas finais de Juízo revelam as consequências de uma sociedade que recomenda "juízo" a seus filhos, mas não o pratica.

sábado, 4 de abril de 2015

Era uma vez outra Maria


Brasil. Conta a história da menina Maria, que percebe que meninas são criadas de maneira diferente dos meninos, e descobre que essa criação influencia seus desejos, comportamentos e atitudes. De lembranças da infância a sonhos para o futuro, Maria questiona o seu papel no mundo.

Minha vida de João



Brasil. 2001. 23’. Produção: ECOS, Instituto PAPAI, Instituto Promundo. Conta a história de um rapaz, João, e os desafios que ele enfrenta durante seu processo de crescimento para tornar-se homem em nossa sociedade: o machismo, a violência familiar, a homofobia, as dúvidas em relaçãà sexualidade, a gravidez da namorada e a paternidade.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Tempos Modernos, tempos de Sociologia


A Revolução Industrial provocou profundas mudanças na sociedade



A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes, para outros ela é a expressão teórica dos movimentos revolucionários.
A sua posição é notavelmente contraditória. De um lado, foi proscrita de inúmeros centros de ensino. Foi fustigada, em passado recente, nas universidades brasileiras, congelada pelos governos militares argentino, chileno e outros do gênero. Em 1968, os coronéis gregos acusavam-na de ser disfarce do marxismo e teoria da revolução. Enquanto isso, os estudantes de Paris escreviam nos muros da Sorbone que “não teríamos mais problemas quando o último sociólogo fosse estrangulado com as tripas do último burocrata”.
Como compreender as avaliações tão diferentes dirigidas com relação a esta ciência? Para esclarecer esta questão, torna-se necessário conhecer, ainda que de forma bastante geral e com algumas omissões, um pouco de sua história. Isto me leva a situar a sociologia – este conjunto de conceitos, de técnicas e de métodos de investigação produzidos para explicar a vida social – no contexto histórico que possibilitou o seu surgimento, formação e desenvolvimento.
Este livro parte do princípio de que a sociologia é o resultado de uma tentativa de compreensão de situações sociais radicalmente novas, criadas pela então nascente sociedade capitalista. A trajetória desta ciência tem sido uma constante tentativa de dialogar com a civilização capitalista, em suas diferentes fases.
Na verdade, a sociologia, desde o seu início, sempre foi algo mais do que uma mera tentativa de reflexão sobre a sociedade moderna. Suas explicações sempre contiveram intenções práticas, um forte desejo de interferir no rumo desta civilização. Se o pensamento científico sempre guarda uma correspondência com a vida social, na sociologia esta influência é particularmente marcante. Os interesses econômicos e políticos dos grupos e das classes sociais, que na sociedade capitalista apresentam-se de forma divergente, influenciam profundamente a elaboração do pensamento sociológico.
Procuro apresentar, em termos de debate, a dimensão política da sociologia, a natureza e as conseqüências de sem envolvimento nos embates entre os grupos e as classes sociais e refletir em que medida os conceitos e as teorias produzidos pelos sociólogos contribuem para manter ou alterar as relações de poder existentes na sociedade.


O SURGIMENTO

Podemos entender a sociologia como uma das manifestações do pensamento moderno. A evolução do pensamento científico, que vinha se constituindo desde Copérnico, passa a cobrir, com a sociologia, uma nova área do conhecimento ainda não incorporada ao saber científico, ou seja, o mundo social. Surge posteriormente à constituição das ciências naturais e de diversas ciências sociais.
A sua formação constitui um acontecimento complexo para o qual concorrem uma constelação de circunstâncias, históricas e intelectuais, e determinadas intenções práticas. O seu surgimento ocorre num contexto histórico específico, que coincide com os derradeiros momentos da sociedade feudal e da consolidação da civilização capitalista. A sua criação não é obra de um único filósofo ou cientista, mas representa o resultado da elaboração de um conjunto de pensadores que se empenharam em compreender as novas situações de existência que estavam em curso.
O século XVIII constitui um marco importante para a história do pensamento ocidental e para o surgimento da sociologia. As transformações econômicas, políticas e culturais que se aceleram a partir dessa época colocarão problemas inéditos para os homens que experimentavam as mudanças que ocorriam no ocidente europeu. A dupla revolução que este século testemunha – a industrial e a francesa – constituía os dois lados de um mesmo processo, qual seja, a instalação definitiva da sociedade capitalista. A palavra sociologia apareceria somente um século depois, por volta de 1830, mas são os acontecimentos desencadeados pela dupla revolução que a precipitam a tornam possível.
Não constitui objetivo desta parte do trabalho proceder a uma análise destas duas revoluções, mas apenas estabelecer algumas relações que elas possuem com a formação da sociologia. A revolução industrial significou algo mais do que a introdução da máquina a vapor e dos sucessivos aperfeiçoamentos dos métodos produtivos. Ela representou o triunfo da indústria capitalista, capitaneada pelo empresário capitalista que foi pouco a pouco concentrando as máquinas, as terras e as ferramentas sob seu controle, convertendo grandes massas humanas em simples trabalhadores desprovidos.
Cada avanço com relação à consolidação da sociedade capitalista representava a desintegração. O solapamento de costumes e instituições até então existentes e a introdução de novas formas de organizar a vida social. A utilização da máquina na produção não apenas destruiu o artesão independente, que possuía um pequeno pedaço de terra, cultivado nos seus momentos livres. Este foi também submetido a uma severa disciplina, a novas formas de conduta e de relações de trabalho, completamente diferentes das vividas anteriormente por ele.
Num período de oitenta anos, ou seja, entre 1780 e 1860, a Inglaterra havia mudado de forma marcante a sua fisionomia. País com pequenas cidades, com uma população rural dispersa, passou a comportar enormes cidades, nas quais se concentravam suas nascentes indústrias, que espalhavam produtos para o mundo inteiro. Tais modificações não poderiam deixar de produzir novas realidades para os homens dessa época. A formação de uma sociedade que se industrializava e urbanizava em ritmo crescente implicava a reordenação da sociedade rural, a destruição da servidão, o desmantelamento da família patriarcal etc. A transformação da atividade artesanal em manufatureira e, por último, em atividade fabril, desencadeou uma maciça emigração do campo para a cidade, assim como engajou mulheres e crianças em jornadas de trabalho de pelo menos doze horas, sem férias e feriados, ganhando um salário de subsistência. Em alguns setores da indústria inglesa, mais da metade dos trabalhadores era constituída por mulheres e crianças, que ganhavam salários inferiores dos homens.
A desaparição dos pequenos proprietários rurais, dos artesãos independentes, a imposição de prolongadas horas de trabalho etc, tiveram um efeito traumático sobre milhões de seres humanos ao modificar radicalmente suas formas habituais de vida. Estas transformações, que possuíam um sabor de cataclisma, faziam-se mais visíveis nas cidades industriais, local para onde convergiam todas estas modificações e explodiam suas conseqüências. Estas cidades passavam por um vertiginoso crescimento demográfico, sem possuir, no entanto, uma estrutura de moradias, de serviços sanitários, de saúde, capaz de acolher a população que se deslocava do campo. Manchester, que constitui um ponto de referência indicativo desses tempos, por volta do início do século XIX era habitada por setenta mil habitantes; cinqüenta anos depois, possuía trezentas mil pessoas. As conseqüências da rápida industrialização e urbanização levadas a cabo pelo sistema capitalista foram tão visíveis quanto trágicas: aumento assustador da prostituição, do suicídio, do alcoolismo, do infanticídio, da criminalidade, da violência, de surtos de epidemia de tifo e cólera que dizimaram parte da população etc. É evidente que a situação de miséria também atingia o campo, principalmente os trabalhadores assalariados, mas o seu epicentro ficava, sem dúvida, nas cidades industriais.
Um dos fatos de maior importância relacionados coma revolução industrial é sem dúvida o aparecimento do proletariado e o papel histórico que ele desempenharia na sociedade capitalista. Os efeitos catastróficos que esta revolução acarretava para a classe trabalhadora levaram-na a negar suas condições de vida. As manifestações de revolta dos trabalhadores atravessaram diversas fases, como a destruição das máquinas, atos de sabotagem e explosão de algumas oficinas, roubos e crimes, evoluindo para a criação de associações livres, formação de sindicatos, etc. A conseqüência desta crescente organização foi a de que os “pobres” deixaram de se conformar com os “ricos”; mas uma classe específica, e classe operária, com consciência de seus interesses, começava a organizar-se para enfrentar os proprietários dos instrumentos de trabalho. Nesta trajetória, iam produzindo seus jornais, sua própria literatura, procedendo a uma crítica da sociedade capitalista e inclinando-se para o socialismo como alternativa de mudança.


QUAL A IMPORTÂNCIA DESSES ACONTECIMENTOS PARA A SOCIOLOGIA?

O que merece ser salientado é que a profundidade das transformações em curso colocava a sociedade num plano de análise, ou seja, esta passava a se constituir em “problema”, em “objeto” que deveria ser investigado. Os pensadores ingleses que testemunhavam estas transformações e com elas se preocupavam não eram, no entanto, homens de ciência ou sociólogos que viviam desta profissão. Eram antes de tudo homens voltados para a ação, que desejavam introduzir determinadas modificações na sociedade. Participavam ativamente dos debates ideológicos em que se envolviam as correntes liberais, conservadoras e socialistas. Eles não desejavam produzir um mero conhecimento sobre as novas condições de vida geradas pela revolução industrial, mas procuravam extrair dele orientações para a ação, tanto para manter, como para reformar ou modificar radicalmente a sociedade de seu tempo. Tal fato significa que os precursores da sociologia foram recrutados entre militantes políticos, entre indivíduos que participavam e se envolviam profundamente com os problemas de suas sociedades.
Pensadores como Owen (1771-1858), William Thompson (1775-1833), Jeremy Bentham (1748-1832), só para citar alguns daquele momento histórico, podiam discordar entre si ao julgarem as novas condições de vida provocadas pela revolução industrial e as modificações que deveriam ser realizadas na nascente sociedade industrial, mas todos eles concordavam que ela produzira fenômenos inteiramente novos que mereciam ser analisados. O que eles refletiram foi de fundamental importância para a formação e constituição de um saber sobre a sociedade.
A sociologia constitui em certa medida uma resposta intelectual às novas situações colocadas pela revolução industrial. Boa parte de seus temas de análise e de reflexão foi retirada das novas situações, como por exemplo, a situação da classe trabalhadora, o surgimento da cidade industrial, as transformações tecnológicas, a organização do trabalho na fábrica etc. É a formação de uma estrutura social muito específica – a sociedade capitalista – que impulsiona uma reflexão sobre a sociedade, sobre suas transformações, suas crises, seus antagonismos de classe. Não é por acaso que a sociologia, enquanto instrumento de análise, inexistia nas relativamente estáveis sociedades pré-capitalistas, uma vez que o ritmo e o nível das mudanças que aí se verificavam não chegavam a colocar a sociedade como “um problema” a ser investigado.
O surgimento da sociologia, como se pode perceber, prende-se em parte aos abalos provocados pela revolução industrial, pelas novas condições de existência por ela criadas. Mas uma outra circunstância concorreria também para a sua formação. Trata-se das modificações que vinham ocorrendo nas formas de pensamento. As transformações econômicas, que se achavam em curso no ocidente europeu desde o século XVI, não poderiam deixar de provocar modificações na forma de conhecer a natureza e a cultura.
A partir daquele momento, o pensamento paulatinamente vai renunciando a uma visão sobrenatural para explicar os fatos e substituindo-a por uma indagação racional. A aplicação da observação e da experimentação, ou seja, do método científico para a explicação da natureza, conhecia uma nova fase de grandes progressos. Num espaço de cento e cinqüenta anos, ou seja, de Copérnico a Newton, a ciência passou por um notável progresso, mudando até mesmo a localização do planeta Terra no cosmo.
O emprego sistemático da observação e da experimentação como fonte para a exploração dos fenômenos da natureza estava possibilitando uma grande acumulação de fatos. O estabelecimento de relações entre os fatos ia possibilitando aos homens dessa época um conhecimento da natureza que lhes abria possibilidade de a controlar e dominar.
O pensamento filosófico do século XVII contribuiu para popularizar os avanços do pensamento científico. Para Francis Bacon (1561-1626), por exemplo, a teologia deixaria de ter a forma norteadora do pensamento. A autoridade, que exatamente constituía um dos alicerces da teologia, deveria, em sua opinião, ceder lugar a uma dúvida metódica, a fim de possibilitar um conhecimento objetivo da realidade. Para ele, o novo método de conhecimento, baseado na observação e na experimentação, ampliaria infinitamente o poder do homem e deveria ser estendido e aplicado ao estudo da sociedade. Partindo destas idéias, chegou a propor um programa para acumular os dados disponíveis e com eles realizar experimentos a fim de descobrir e formular leis gerais sobre a sociedade.
O emprego sistemático da razão, do livre exame da realidade – traço que caracterizava os pensadores do século XVII, os chamados racionalistas –, representou um grande avanço para libertar o conhecimento do controle teológico, da tradição, da “revelação” e, consequentemente, para a formulação de uma nova atitude intelectual diante dos fenômenos da natureza e da cultura.
Diga-se de passagem que o progressivo abandono da autoridade, do dogmatismo e de uma concepção providencialista, enquanto atitudes intelectuais para analisar a realidade, não constituía um acontecimento circunscrito apenas ao campo científico ou filosófico. A literatura do século XVII, por exemplo, constituía uma outra área que ia se afastando do pensamento oficial, na medida em que se rebelava contra a criação literária legitimada pelo poder. A obra de vários literatos dessa época investia contra as instituições oficiais, procurando desmascarar os fundamentos do poder político, contribuindo assim para a renovação dos costumes e hábitos mentais dos homens da época.
Se no século XVIII os dados estatísticos voavam, indicando uma produtividade antes desconhecida, o pensamento social deste período também realizava seus vôos rumo a novas descobertas. A pressuposição de que o processo histórico possui uma lógica passível de ser apreendida constituiu um acontecimento que abria novas pistas para a investigação racional da sociedade.
Data também dessa época a disposição de tratar a sociedade a partir do estudo de seus grupos e não dos indivíduos isolados. Essa orientação estava, por exemplo, nos trabalhos de Ferguson, que acrescentava que para o estudo da sociedade era necessário evitar conjecturas e especulações. A obra deste historiador escocês revela a influência de algumas idéias de Bacon, como a de que é a indução, e não a dedução, que nos revela a natureza do mundo, e a importância da observação enquanto instrumento para a obtenção do conhecimento.
No entanto, é entre os pensadores franceses do século XVIII que encontramos um grupo de filósofos que procurava transformar não apenas as velhas formas de conhecimento, baseadas na tradição e na autoridade, mas a própria sociedade. Os iluministas, enquanto ideólogos da burguesia, que nesta época posicionavam-se de forma revolucionária, atacaram com veemência os fundamentos da sociedade feudal, os privilégios de sua classe dominantes e as restrições que esta impunha aos interesses econômicos e políticos burgueses.
É a intensidade do conflito entre as classes dominantes da sociedade feudal e a burguesia revolucionária que leva os filósofos, seus representantes intelectuais, a atacarem de forma impiedosa a sociedade feudal e a sua estrutura de conhecimento, e a negarem abertamente a sociedade existente.
Para proceder a uma indagação crítica da sociedade da época, os iluministas partiram dos seus antecessores do século XVII, como Descartes, Bacon, Hobbes e outros, reelaborando, porém, algumas de suas idéias e procedimentos. Ao invés de utilizar a dedução, como a maioria dos pensadores do século XVII, os iluministas insistiam numa explicação da realidade baseada no modelo das ciências da natureza. Nesse sentido, eram influenciados mais por Newton, com seu modelo de conhecimento baseado na observação, na experimentação e na acumulação de dados, do que por Descartes com seu método da investigação baseado na dedução.
Combinando o uso da razão e da observação, os iluministas analisaram quase todos os aspectos da sociedade. Os trabalhos de Montesquieu (1689-1755), por exemplo, estabelecem uma série de observações sobre a população, o comércio, a religião, a moral, a família etc. O objetivo dos iluministas, ao estudar as instituições de sua época, era demonstrar que elas eram irracionais e injustas, que atentavam contra a natureza dos indivíduos e, nesse sentido, impediam a liberdade do homem. Concebiam o indivíduo como dotado de razão, possuído uma perfeição inata e destinado à liberdade do indivíduo e à sua plena realização, elas, segundo eles, deveriam ser eliminadas. Dessa forma reivindicavam a liberação do indivíduo de todos os laços sociais tradicionais, tal como as corporações, a autoridade feudal, etc.
A burguesia, ao tomar o poder em 1789, investiu decididamente contra os fundamentos da sociedade feudal, procurando construir um Estado que assegurasse sua autonomia em face da Igreja e que protegesse e incentivasse a empresa capitalista. Para a destruição do “ancien regime”, foram mobilizadas as massas, especialmente os trabalhadores pobres das cidades. Alguns meses mais tarde, elas foram “presenteadas” pela nova classe dominante com a interdição dos seus sindicatos.
A investida da burguesia rumo ao poder, sucedeu-se uma liquidação sistemática do velho regime. A revolução ainda não completara um ano de existência, mas fora suficientemente intempestiva para liquidar a velha estrutura feudal e o Estado monárquico.
O fato é que pensadores franceses da época, como Saint-Simon, Comte, Lê Play e alguns outros, concentrarão suas reflexões sobre a natureza e as conseqüências da revolução. Em seus trabalhos, utilizarão expressões como “anarquia”, “pertubação”, “crise”, “desordem”, para julgar a nova realidade provocada pela revolução.


BIBLIOGRAFIA

MARTINS, C. B. O que é Sociologia. 10ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1985.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------






terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Curso de Formação Política O Socialismo do Século XXI (Inscrição)


La unidad de la Grand Pátria es la fortaleza de nuestro pueblo

INTRODUÇÃO

O Curso de Formação Política "O Socialismo do Século XXI" tem por objetivo proporcionar aos cursistas uma aproximação com os princípios que orientam o Socialismo, a teoria marxista e sua leitura e aplicação no contexto da América Latina desse novo século.

Inspirado pela Revolução Bolivariana, pela Teologia da Libertação e pela história de luta da classe trabalhadora, o Socialismo do Século XXI, tática teorizada pelo Comandante da  Revolução Militar Venezuelana, Hugo Chávez, sem sectarismo e divisionismo procura construir a UNIDADE dos povos da América Latina  em torno dos princípios comunistas, do socialismo e do cristianismo.

Serão 8 encontros aos sábados pela manhã, em Poços de Caldas, no Centro Cultural Afrobrasileiro Chico Rei. Ministradas por Cientistas Sociais, Historiadores e militantes de movimentos sociais chavistas, as oficinas contarão com material de leitura, documentários e dinâmicas que desenvolvam através da mística a consciência de classes, o conhecimento e o empoderamento dos participantes.


INSCRIÇÕES

As inscrições deverão ser feitas antecipadamente, nesse site, através de um comentário nessa postagem, onde deverá constar o nome completo, idade, ligação a movimento, escola, universidade, sindicato ou outra entidade.

CUSTO

Será cobrado dos inscritos uma contribuição para a manutenção do espaço durante o curso.
Valor:

Trabalhador (a) empregado: R$ 10,00
Estudantes e desempregados: Sem custo




PROGRAMAÇÃO

Módulo I

1.      Introdução ao Marxismo

1.1.            Materialismo Dialético e a Luta de Classes
1.2.            Introdução a uma leitua d’O Capital
1.3.            Política e Revolução

Data: 24 e 31 de janeiro


Módulo II

2.      O Socialismo

2.1.            A tática da luta de classes
2.2.            História da luta de classes
2.3.            Experiências Socialistas (URSS, China, Cuba, Venezuela)

Data: 7 e 14 de fevereiro


Módulo III

3.      História da luta de classes no Brasil

3.1 As lutas no período colonial
3.2 As lutas do Brasil imperial
3.3 O Brasil do século XX na “Era dos Extremos”
3.4 O Brasil no início do século XXI

Data: 21 de fevereiro


Módulo IV

4.      O Socialismo do Século XXI

4.1 O neoliberalismo dos anos 1980-90 na América Latina
4.2 Revoluções na América Latina
4.3 Ditaduras na América Latina
4.2 A luta anti-globalização (Seatle, Fórum Social Mundial...)
4.3 Caracazo, 1989 e o surgimento do Movimento Bolivariano
4.4 Hugo Rafael Chávez Frías
4.5. Marx é a revolução e Cristo a fé de um povo explorado
4.6 Integração Regional e o socialismo do século XXI

Data: 28 de fevereiro e 7 de março

Módulo V

5.      A luta de classes no século XXI e a luta das minorias

5.1 A mulher na sociedade de classes
5.2 A questão racial, indígena e popular
5.3 Direitos Humanos, direito LGBT, Ecologia e Socialismo

Data: 14 de março



BIBLIOGRAFIA


Referência bibliográfica:

BAÉZ, Luis; ELIZALDE, Rosa Miriam. Chávez Nuestro. La Habana: Casa Editora Abril, 2007.

BEER, Max. História do Socialismo e das lutas sociais. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. 2. ed. São Paulo: Global, 2007.

GALEANO, Eduardo. As veias abertas da América Latina. 18. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos. O breve século XX (1914-1991). 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KONDER, Leandro. História das ideias socialistas no Brasil. São Paulo: Expressão Popular, 2003.

LENIN, W. I. As três fontes e as três partes constitutivas do marxismo. 3. ed. São Paulo: Global, 1980.

MARIÁTEGUI. José Carlos. Revolução Russa. História, política e literatura. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

MARX, Karl. Manuscritos econômicos, filosóficos e outros textos. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MARX, Karl; F. Engels. A ideologia Alemã. São Paulo: Martin Claret, 2004.

NAVARRO, José Cantón; LEÓN, Arnaldo Silva. História de Cuba, 1959-1999. Liberación nacional y socialismo. 3. ed. La Habana: Pueblo y Educación: 2011.

SAFFIOTI, Heleieth. A mulher na sociedade de classes. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.



DOCUMENTÁRIOS

- A revolução não será televisionada (https://www.youtube.com/watch?v=MTui69j4XvQ) 
- Cuba, fatos e não palavras (https://www.youtube.com/watch?v=eiWXhanvyY0) 
- Bolívar (https://www.youtube.com/watch?v=y-mTsXMpsHY)
- Brazil, uma verdade inconveniente (https://www.youtube.com/watch?v=t821sT4AoUY)
- Guerra contra a Democracia (https://www.youtube.com/watch?v=dmYo8xrHI9M)
- Por uma outra globalização (https://www.youtube.com/watch?v=-UUB5DW_mnM) 

Professores: Diney Lenon, Tiago Mafra, Mateus Zani, Greice Keli e Hudson Vilas Boas



Cronograma:

10 de janeiro: Introdução ao Marxismo
17 de janeiro: Introdução ao Marxismo
24 de janeiro: O Socialism
31 de janeiro: O Socialismo
7 de fevereiro: História da luta de classes no Brasil
14 de fevereiro: O Socialismo do Século XXI
21 de fevereiro: O Socialismo do Século XXI
28 de fevereiro: A luta de classes no século XXI e a luta das minorias
* 8 sábados, das 08hs às 12hs, totalizando 32h/aula.





quarta-feira, 14 de maio de 2014

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Mídia e Fascismo "despercebido"

Isso é "liberdade de imprensa"?

Uma brincadeira de facebook me inspirou a escrever sobre um tema tão complexo a partir de um vídeo considerado “uma boa arma” para a classe média papagaia “anti-PT”.

Meu amigo Igor Borges postou esse vídeo no meu perfil de facebook, o que me fez sentir desafiado.



Pois bem, Igor Borges, confesso que vi sua postagem diretamente colocada no meu mural com a pergunta: “Onde estão os defensores desse governo" pelo celular. Meu aparelho não visualiza vídeos. Vi também que outro amigo a quem considero e respeito muito, o Guilherme Dore perguntava: “E agora, José?”. Me senti "desafiado"... rsrs...

Não que eu seja um defensor apaixonado do governo, muito pelo contrário, quem me conhece sabe que não milito por governo, mas pela minha classe.

Como não pude ver pelo celular fiquei curioso e quando cheguei em casa fui ver o vídeo “desafiador”, que seria aquilo que poderia me deixar sem argumentos?

Quando abri o vídeo, logo identifiquei um jornalista dos mais fascistas e extremamente vinculado aos valores da extrema direita. Trata-va se um jornalista que faz a “classe média conservadora e alienada gozar”, mas não me lembrei o nome do figura.
Já começam na bancada jornalística, formadora de opinião o “jornalismo imparcial” com uma aberração histórica, mentirosa e ABSURDA: “o Paraguay não goza de mais liberdade do que o Brasil”, esbravejava o "comentarista". Para justificar essa grosseira “opinião” repete, o incapaz, o “jargão” talvez mais saboroso para o banquete de hipocrisia da classe média: “o brasileiro não faz nada”, com ar de desdém e superioridade típica dos detentores do pensamento colonizado.
Esse jornalista não tem embasamento histórico algum para começar suas inverdades ideologicamente comprometidas. Sua linha política é clara, situa-se entre os “intelectuais” que compõem “análises” com os olhos e mãos alinhados à política acéfala “anti-PT” que ocupa os meios de comunicação privados.

Nossos meios de comunicação, majoritariamente empenhados em deteriorar a imagem desse governo progressista, de centro-esquerda, associados e ligados umbilicalmente a interesses esconômicos e estrangeiros muito maiores cumprem seu papel: alienar.

Está em curso um processo político, um embate histórico dos mais significativos da história recente não só do nosso país, mas mundial. Está em jogo mais do que o “debate anti-governo ancorado num discurso “moralista”, contra a “corrupção”. O Brasil é a bola da vez nesse tabuleiro mundial e as grandes corporações não medirão esforços para retomarem seu projeto neoliberal (privatizações, desconstrução do Estado e entrega da riqueza nacional ao capital internacional, precarização do trabalho...).

Não sejamos manipulados: e os escândalos dos adversários desse governo, porque não são tão apurados e escancarados e repetidos milhares de vezes? Entendido isso, considerando que a corrupção não é mãe do sistema, mas filha do sistema, devemos lutar contra a corrupção em todas as esferas, no campo político da direita, da esquerda e dos que se acham indiferentes ou acima das ideologias.
 
Não é uma disputa entre os éticos contra os corruptos que estão no poder, mas uma disputa de projetos políticos, uns mais populares, comprometidos com as causas sociais e mais independente externamente e um projeto de “realinhamento” com o “norte” e medidas de “austeridade” em nome do projeto neoliberal.

Mas vamos ao que interessa: o que diz aquele que "desmascara" e que alguns classificam como "o crítico", o que "diz o que precisa ser dito", o que se faz "pedra no sapato" de um governo a ponto de ser perseguido?

Os "argumentos" do "jornalista"
Primeiramente, esse energúmeno desconhece que o Presidente paraguaio está no poder por causa de um GOLPE DE ESTADO, dos mais fresquinhos arquitetados pela cartilha estadunidense e todo seu apoio logístico. O Presidente do Paraguay, Fernando Lugo, eleito com apoio popular foi deposto por um GOLPE DE ESTADO em junho de 2012. A reforma agrária que começava a avançar no país de maior concentração de terras do mundo (latifúndios ocupam quase metade do país), com amplo apoio popular foi interrompida por uma ação dos setores conservadores, apoiados pelos meios de comunicação nacional e internacional que insistem em silenciar sobre o golpe de estado acontecido “ontem”.
A primeira colocação do jornalista pode ser analisada de duas formas: pela ignorância ou pelo olhar crítico. É possível que passemos a repetir as informações vazias, superficiais e ideologicamente comprometidas com o discurso rancoroso da direita. Esse segmento que detém os meios de propagação (ou repetição) da “opinião pública” é o segmento que não aceita estar há 11 anos fora do poder, justamente no memento de maior seqüência de anos de DEMOCRACIA.
O governo Lula e Dilma implantaram muitos e dinamizaram muitos CONSELHOS, estimulado a política de Conselhos Municipais, Estaduais e Nacionais. Participei de algumas delas, como a Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, em 2007. Nessa conferência avançamos muito nas políticas de proteção e promoção dos direitos. É possível que seja desconhecimento, mas não desse jornalista. O jornalista demonstra claramente através de seu “embasamento”, ou “justificativa” que não conhece nada de nada sobre democracia ao comparar a democracia recente paraguaia e brasileira.

Ameaças e milícias virtuais? Se são milícias eu com certeza sou um “miliciano”, ou não? Perseguições? Meu Deus! Há um plano de perseguições orquestrado e o condutor dessa malevolência é, sem sombra de dúvidas, o governo federal, mais especificamente, o PT. Se há, podemos então comparar esse governo a ditaduras totalitárias, que possuem essa característica, de perseguição política aos opositores e censura.
Polícia Federal sendo utilizada politicamente, ah, ta, em que caso ULTRA EXPLORADO PELA MESMA MÍDIA QUE ATACA DIARIAMENTE ESSE GOVERNO: Mensalão? Quem sustentou todo o processo e investigação do mensalão por um acaso foi a PM de MG, sob mando de Aécio Neves?
Marco Civil da inernet. Eu li o projeto, inteirinho e desafio alguém a me provar que o foco central do projeto não é cobrar dos provedores obrigações, sigilos e que representa uma RESPOSTA SOBERANA E DIGNA do nosso PAIS (pais esse que a classe média ama desprezar) a um dos maiores escândalos e ações do imperialismo ianque, a ESPIONAGEM denunciada por Edward Snoden.

O Marco Civil foi amplamente comemorado por movimentos sociais respeitados e atuantes. Pode haver discordância em alguns pontos, como também tenho, mas não se mede uma ação política pela sua superfície, é necessário aprofundar.
Quanto aos “argumentos” que o jornalista vomita: “acham que pra ser ditadura precisa ter tanque na rua, mas não, é só olhar os projetos que o PT tem aprovado: direitos humanos e essas coisas”. Alguém em sã consciência e com mínimo conhecimento histórico irá dar crédito a um argumento que desqualifica um governo ao classificá-lo como ditadura por estar este se empenhando na legislação de direitos humanos?

Já sei, ia me esquecendo, a classe média assinante da Veja que desconhece nomes como Milton Santos, Florestan Fernandes, geralmente inerte na história tem outro prazer que a leva ao gozo: amaldiçoar essa história de Direitos Humanos. Do mais profundo de sua leitura “imparcial e argumentativa” despejam repetindo como papagaios que “verdade” de que os direitos humanos defendem bandidos, sem entenderem essa política e filosofia de um projeto de civilização diferente, que jamais se encerraria num aspecto da humanidade.

Critica o governo porque o governo está trabalhando na legislação de direitos humanos. Só lhe faltou tempo para entrar noutros assuntos em que a classe média e elite quase se copulam ao especularem sobre a sexualidade das pessoas, a origem, posição social, etnia, o machismo, dentre tantos outros “desmandos da política ditatorial do PT nos últimos anos”. Vai dizer como o Jair Bolsonaro, ex-Capitão da Rota: “A rota mata primeiro pra depois ver quem é”?. Estão no mesmo balaio de valores de intolerância. Quem critica os direitos humanos não sabe o que significou e significa a sua construção.

O jornalista é contra o PLANO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS? Jura que alguém vai até o meu mural colocar um jornalista criticando o PNDH????????????????

Muito, mas muito baixo! Sinceramente, como professor avalio a opinião do estudante, mas procuro contribuir para que ele aprenda a construir e sustentar sua opinião. Dessa forma, se me permitem falar como profissional (esperando ser respeitado como qualquer outro), esse jornalista não iria obter aprovação numa avaliação de dissertação. Ele não argumenta, empobrece sua defesa com seu “anti-petismo” explícito e não conhece os fatos históricos. Pra piorar o cara usa como principal “argumento” a política de direitos humanos.


OBS: Gosto de expor o pensamento e respeito opiniões divergentes e linguagens ponteagudas dentro do estilo respeitoso.
OBS de cientista político "chato" que sou: desafio a expor outra leitura. Se ainda assim continua acreditando nos "argumentos" do jornalista, cuidado, pode ser doença... rsrs

terça-feira, 4 de março de 2014

Chávez, o Libertador!



por Diney Lenon de Paulo


 “Los que mueren por La vida no pueden llamarse muertos” – Alí Primera

Há exatamente um ano juntamente com companheiros da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB, por volta das 18h, estava eu num ônibus, rumo a Brasília para participar da Marcha Nacional das Centrais Sindicais, engajado na luta por direitos para a classe trabalhadora, quando recebi a trágica notícia: Chávez havia falecido.
A notícia, de certa forma esperada, transformou aquela viagem de 14 horas, num momento de profunda tristeza, dúvidas, lágrimas contidas, uma angústia sem medida. O câncer consumiu o valente Comandante, que lutou até o último segundo de vida. Saia da vida para consagras-se, eternizar-se pela história. Como diz o jornalista Arthur Amorin, “Y ahora Fidel?”, no título de seu livro, me vinha à cabeça: E agora América Latina, e agora Venezuela? Mesmo sabendo que uma revolução não se faz somente com líderes, mas, sobretudo com o povo e sabendo a enorme consciência que adquiriu a classe trabalhadora venezuelana, em minha mente martelava: Serão fortes para enfrentar a ganância imperialista? Haverá liderança na Venezuela que fique à altura do processo revolucionário implementado por Chávez? Quanto à segunda pergunta, a resposta era e ainda é: Não!
O dia 6 de março de 2013 foi um dia de milhares de bandeiras vermelhas na Esplanada dos Ministérios, um dia de luta da classe trabalhadora. Homenagem mais bonita não seria possível: 40 mil trabalhadores em coro: Comandante Chávez, presente!
Mas não havia mobilização, luta e gritos de ordem que estancassem a dor que jorrava do coração. Falecia naquele dia o maior líder de toda a América Latina e um dos maiores líderes revolucionários da história! Para mim, que cresci “politicamente” junto com a Revolução Bolivariana, era como perder o chão, navegar a deriva, sem rumo, indeciso. Era o dia 5 de marços de 2013 um dia que marcaria minha vida: O dia que colocaria toda uma revolução à prova. Sem a presença física de seu líder, restava ao povo bolivariano, seguir a revolução diante dos gigantescos ataques que viriam.
Lembro perfeitamente da minha infância quando ouvia algo sobre a Venezuela: misses, mulheres bonitas encantando o mundo! Lembro-me também que Venezuela para mim, além de um país de “chicas hermosas” tinha outro significado: a seleção de futebol acostumada a levar goleadas. Era raro um jogo onde a Venezuela não levava três, quatro, até oitos gols numa partida, ainda mais quando o adversário se tratava de Brasil ou Argentina. Essa era a imagem que tinha da Venezuela quando criança, nada mais, o que é compreensível para uma criança dos anos 1980 no Brasil.
Na adolescência, já mais interessado nesse mundo, nas pessoas e iniciando uma vida de sonhos para além das fantasias de infância, me interessei por poesia (Ferreira Gullar, Pablo Neruda, Carlos Drummond), por música punk, de protesto. Era eu, um “headbanger punk”, que adorava a banda Garotos Podres e odiava a escola com seu formato autoritário. Não é por menos que a lendária “Dona Elvira”, diretora do David Campista, escola onde estudei até a sétima série, me convidou a “retirar-me” daquela instituição quando me rebelei contra a proibição do uso de boné. Não sabe ela que bem me fez, por mais paradoxo que pareça ser essa conclusão, vinda de um professor. Ao ser rejeitado pela escola, fiquei aproximadamente 4 anos longe dessa instituição, vivendo experiências que marcariam minha vida.
Entrando na vida adulta, lá pelos meus 18, 19 anos, já me interessava por política, livros e tinha a orientação de um amigo professor que me apresentou as idéias libertárias e me ensinou a sonhar para além do próprio umbigo. Nessa época, ainda vivendo a “Vida Loka”, conheci pessoas de outros países, do Peru, Bolívia, Colômbia, que eram artesãos que viajavam pela América. Encantei-me muito com esse espírito aventureiro. Não sabia eu, que daqueles contatos e experiências, nascia um grande amor, um amor por nossa América, nossa gente.
Vivendo experiências em viagens com mochilas nas costas, sem dinheiro (“caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento”), leituras e contatos, percebi que era necessário me engajar em alguma coisa que fizesse sentido e diferença não só para mim, mas para o mundo. Sem condições financeiras, nem herança, nem família rica, após concluir o Ensino Médio em 3 meses através do CESEC, tentei um vestibular para o curso de Ciências Sociais, com uma única esperança: ser aprovado em primeiro lugar, já que a faculdade contemplava o primeiro colocado com bolsa integral de estudos. Naquela época, anos 1990, não havia ENEM, PROUNI, nada. Eis que o resultado não poderia ser melhor: primeiro colocado, com a melhor nota de redação (me lembro do tema: o atentado terrorista do World Trade Center). Me lembro também que a frase final da redação era: “A dor do povo estadunidense é legítima e tão grande quanto a dor dos povos provocadas por seu governo”.
Inicia-ve o novo século, o novo milênio e eu também passava por profundas mudanças. Ao iniciar os estudos acadêmicos passei a estudar Ciência Política e ouvia constantemente notícias da Venezuela, mas não de suas “hermosas muchachas”, nem de seu futebol insípido, mas de um tal Presidente Hugo Chávez, um homem aparentemente nacionalista, que , dentre outras frases polêmicas se destacava: “Ianques de mierda, que se vayan al carajo!”. Isso, devido ao meu espírito libertário, anárquico, me encantava como poesia. Passei a pesquisar sobre esse “mal educado” Presidente que peitava a maior potência militar e econômica da história.
A Venezuela sempre foi um país rico, mas marcado por uma gigantesca desigualdade social. Esse país possui o “outro negro” tão cobiçado por potências imperialistas, possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo. Os EUA eram grandes aliados do país sul-americano. O barril de petróleo era vendido a U$ 14 para o Tio Sam e Hugo Chávez havia alterado a relação com os EUA e hoje mesmo sendo o maior comprador de petróleo venezuelano, os ianques têm de pagar aproximadamente U$ 100 pelo barril, enquanto o venezuelano, hoje, paga U$ 0,7 pelo litro da gasolina. Isso desde os primeiros estudos me intrigou muito: Um Presidente que aumenta o preço do petróleo para “El diablo” (nas palavras de Chávez, durante discurso na Assembleia da ONU) e reduziu o preço dos seus derivados para seu povo. Não era um nacionalista qualquer. A curiosidade me fez escravo e ali estava um universitário interessado em América Latina não mais por questões culturais e pela beleza da língua criolla, mas por política, geopolítica e imperialismo.
O interesse pelo estudo da realidade venezuelana tinha como pano de fundo uma questão ideológica: era eu, com meus 16, 17 anos um anarquista inconseqüente, que ao estudar a ciência política percebeu que o sonho de igualdade proposto pelos libertários só é possível com uma disciplina e caminho socialista. Sabia eu que Chávez era um nacionalista, grande admirador de Fidel Castro, defensor da Grande Pátria de Bolívar. Esperava eu que Chávez de declarasse socialista tão logo.
O petróleo na Venezuela sempre foi fornecido quase “de graça” aos EUA. Em 1989, obedecendo a ordens do Fundo Monetário Internacional – FMI, o governo venezuelano privatizou serviços, aumentou impostos e a população pobre saiu às ruas para protestar. Era 27 de fevereiro. Em dois dias o exército, sob o mando de Carlos Andrés Perez, matou mais de mil pessoas. Esse fato ficou conhecido como “El caracazo”. Não sabia a elite mancomunada com as multinacionais que esse massacre marcaria profundamente muitos militares venezuelanos, que perceberam que estavam a usar armas contra seu próprio povo, a favor do interesse internacional e não da população. Entre os militares descontentes estava Chávez, que liderava um movimento chamado como “Movimento Bolivariano”, inspirado nos ideais do libertador Simon Bolívar, o patriota Venezuelano que expulsou os espanhóis no século XIX e propunha a união dos países da América Latina numa “Grand Pátria”.
Com o passar dos anos, estudando, mas, sobretudo, acompanhando diariamente os fatos, lendo jornais e revistas alternativos aos da grande imprensa privada (burguesa), vi os anos 2000 marcarem a história da América Latina com a mudança de paradigma. De uma região dócil e submissa aos interesses imperialistas dos EUA, a América do Sul ia se tornando uma região hostil às políticas ditadas pelo FMI, por Washington. Vivi a esperança da verdadeira independência latino-americana e a cada dia ficava mais claro como a imprensa capitalista atacava qualquer ação de Chávez que para favorecer o povo desfavorecesse a elite e o interesse do capital.
Chávez foi o grande líder desse processo de ruptura, de libertação e integração dos países hermanos de América iniciado por Simón Bolívar, no século XIX. Chávez, militar de origem simples, o menino que vendia laranjas para ajudar a avó em Sabatena, cidade extremamente pobre da Venezuela, chegou ao poder ao se tornar conhecido por tentar derrubar o governo de Carlos Andrés Perez em 1992, num levante cívico-militar. O levante falhou, mas projetou a liderança de Chávez para todo o país. Ficou dois anos preso e ao sair, se candidatou a Presidente em 1998, vencendo uma adversária, ex-miss universo, era o duelo da “bela contra a fera”.
Com discurso popular, franco e pedagógico, prometeu incorporar o povo na política e transformar a Venezuela numa democracia participativa, direta e não mais uma democracia representativa, de “representantes” distantes do povo. Prometeu e assim o fez. Me lembro do dia que vi num jornal, lá pelos anos 2000, 2001, o Presidente da Venezuela sendo chamado de “populista” (que no senso comum político é quase um oportunista, enganador) por ter ido pessoalmente a uma favela em Caracas onde as chuvas causaram enorme prejuízo e mortes. Chávez era atacado pela imprensa por estar com os pés no barro, ajudando a retirar a sujeira de uma casa. Além dessa imagem, me marcou o fato do presidente, constantemente apedrejado pela imprensa, ter ordenado que a população daquela favela deixasse o local e se mudasse para um prédio de propriedade de empresários italianos, onde seria inaugurado um hotel cinco estrelas. O próprio exército se incumbiu de ajudar as famílias. Parte das famílias que não couberam no “hotel gringo”, foi levada para o Palácio Presidencial e outros prédios do governo com a promessa de saírem de lá somente quando suas casas estivessem prontas. Houve quem não aprovou essa medida, é claro, os empresários italianos. Chávez tinha lado e quando se tem lado, inimigos aparecem. Minha avó, que nada entedia de política me dava conselhos na minha infância que me vinham à mente quando via os exemplos de Chávez: “Na vida, ou se é santa ou se é puta”. Chávez não era mentiroso, nem “acendia uma vela para Deus e outra para o capeta”, Chávez estava do lado dos pobres. Os inimigos que Chávez estava conquistando eram poderosos e os aliados eram como ele, mestiços, de origem humilde.
Nas aulas de Ciência Política, me recordo, aprendi sobre nacionalismo, direita, esquerda, populismo, elitismo e outras tantas teorias e formas políticas. Me interessou muito o nacionalismo de Perón, na Argentina, de Vargas, no Brasil e Cárdenas, no México. Esses presidentes que fizeram história, foram corajosos ao nacionalizar empresas estrangeiras em seus territórios. Eles pensaram no futuro dos seus países. Nenhum deles era socialista, mas defendiam que a riqueza nacional deveria servir à nação e não ao capital estrangeiro.
Chávez nacionalizou o petróleo venezuelano e mudou a política externa. Priorizou a relação com os países da América Latina. Cristão fervoroso, defendia que o “pão deveria ser dividido” não só com os pobres do seu país, mas com os “hermanos” de outros países e passou a vender petróleo abaixo do preço de mercado para países pobres, inclusive para pessoas pobres dos EUA. A elite Venezuela, acostumada com a frieza da relação comercial capitalista, esbravejava pelos quatro cantos.  Não aceitava a burguesia venezuelana, que seus privilégios estavam se pulverizando em esperança para outros povos e o governo dos EUA temiam que Chávez se tornasse exemplo, afetando a lógica individualista e egoísta do seu sistema da “liberdade”.
Com esse discurso e prática de Chávez, as aulas de Marxismo na faculdade me pareciam mais reais, pois Lenin, na Rússia de 1917 já alertava que o socialismo só é possível com o internacionalismo, com a união dos trabalhadores. Marx disse isso em 1848, em seu célebre manifesto: “proletários de todo o mundo uni-vos”. Chávez demonstrava seu internacionalismo com sua característica única, baseado em princípios cristãos. Eu que não me considerava cristão, inclusive porque não frequentava meu catecismo com a Dona Palmira na Igreja de São Domingos nos anos 1980, preferindo jogar Super Mário Bross na casa de um coleguinha, me via seduzido pela releitura do Cristianismo feita por Chávez. Logo eu viria a entender que Chávez se aproximava da Teologia da Libertação.
O polêmico Presidente, tão atacado pela imprensa brasileira e capa da Revista Veja algumas vezes, retratado pelo panfleto semanal da direita como ditador buscou laços com China, Rússia, Índia, Brasil para diminuir sua dependência dos EUA nas relações comerciais. Suas atitudes e seu discurso aberto e objetivo conquistaram milhões de venezuelanos e gente do mundo todo. Com o fim da URSS nos anos 1990, a esperança de um novo socialismo surgiu nas palavras de Chávez, um “socialismo do século XXI, uma mistura de Marx e Cristo”.
Vi os anos 2000 colocarem a América Latina como o centro político do mundo. Vi os EUA enviarem 160 mil soldados para o Afeganistão, com a desculpa de capturar Bin Laden (um ex-aliado dos EUA contra a URSS nos anos 1980). Vi O Iraque sendo invadido porque os EUA apresentaram “provas” na ONU de que Sadam Hussein possuía armas de destruição em massa e passei anos esperando e ainda espero as provas. Vi o imperialismo ianque de empenhando no controle do petróleo pelo mundo e nossa região que eles consideravam “seu quintal” elegendo governos mais independentes, mais nacionalistas e menos subservientes aos ditames de George Bush, o maior assassino que vi nos últimos anos.
Como reflexo das políticas neoliberais, de privatizações, flexibilização de direitos e venda do patrimônio nacional, outros países na América do Sul passaram a eleger presidentes mais “à esquerda”, como é o caso de Evo Morales (o sindicalista da Bolívia), o primeiro presidente índio de um país de maioria indígena (curiosidade: o presidente que antecedeu Morales, mal falava a língua do seu povo e se mudou para Miami quando Morales nacionalizou o gás boliviano), Rafael Correa (Equador), Nestor Kirschner (Argentina), Lula (Brasil), Tabaré Vasquez (Uruguai), Daniel Ortega (Nicarágua). Fui testemunha e mais do que isso, fui, com todo orgulho, “agente” desse processo, lutei muito para a eleição de Lula no Brasil e participei juntamente com vários companheiros da campanha que sepultou o projeto da ALCA – Área de Livre Comércio das Américas. Ainda me lembro de Chávez, ao lado de Maradona e Evo Morales, no estádio do River Plate, em Mar Del Plata, Argentina, cantando junto com 30 mil pessoas: Alca, Alca... al carajo! Foi lindo! O projeto de Bush para engolir nosso continente foi sepultado com a aliança de Brasil, Argentinal, Venezuela e Bolívia.
A América Latina dos anos 2000 é reflexo do “estupro” ao qual fomos submetidos nos anos 1990, praticado por governos sem compromisso algum com seu povo, mas sim com as multinacionais. Na Bolívia, antes de Morales, tiveram a audácia de privatizarem até a água potável, tudo em nome de uma multinacional chamada Bechtel Corporate, que Morales, quando eleito, expulsou do país.  Lembro-me de centenas de manifestantes diante da Bolsa de Valores de São Paulo levando paulada da polícia quando tentavam barrar a privatização da Vale do Rio Doce. Não conseguiram, vendida por 3,4 bilhões de dólares, a Vale lucrou em apenas um ano, 12 bilhões e hoje sua exploração de minério não pertence aos brasileiros. Imagino Getúlio Vargas como deve se contorcer na cova. Chávez além de ser fruto desse processo, foi um líder, um inspirador, um pedagogo revolucionário, que ensinou o povo pobre, os moradores dos barrios (favelas) a participarem da política e levantou novamente a bandeira do socialismo quando o capitalismo cantava sua vitória, com o “fim da história”. Vivi isso, sou testemunha viva disso!
O grande apoio popular de Chávez entre a imensa maioria da população venezuelana se dá através de suas políticas públicas, das “missões”, como “La misión Robison”, que alfabetizou milhões de venezuelanos e consagrou a Venezuela ao posto que poucos países do mundo conseguiram: país sem analfabetos! Cresci ouvindo que somente Cuba havia eliminado o analfabetismo em todo o continente americano. Inspirados em seu libertador nacional, José Martí, os cubanos reafirmam: somente um povo culto pode ser livre!
A “misión barrio adentro”, com parceria de Cuba, levou 40 mil médicos para as favelas, cidades distantes, montanhas e zonas rurais e indígenas, diminuindo consideravelmente os alarmantes índices sociais venezuelanos que as políticas neoliberais deixaram como herança para o chavismo. A operação “milagro” que levou a Cuba 15 mil venezuelanos para fazerem cirurgias oftalmológicas é exemplo da mudança que o governo liderado por Chávez implentou. A mission sonrisa, levou atendimento odontológico a mais de 300 mil pessoas nos bairros pobres da Venezuela, o que fez com que o povo pobre, maioria da população, enxergasse no governo um governo do povo e para o povo.

Hoje são mais de 700 mil casas entregues a famílias pobres, além da criação de universidades por todas as cidades venezuelanas. As casas entregues à população contam com lavanderia coletiva, horta comunitária, creche e posto de saúde. A população é responsável por gerenciar os conjuntos habitacionais e as decisões devem ser tomadas em assembléias. Chávez dizia: é preciso radicalizar a democracia, de baixo para cima! O povo deve ler a Constituição, saber das leis, dos seus direitos para defendê-los!
Essas mudanças não se deram em meio a um mar de rosas. Para efetuar as mudanças, Chávez teve que retirar privilégios de uns 10% da população, parcela essa que desde então não tem feito outra coisa a não ser conspirar contra o governo para retomarem o que consideram ser “seu”. Um exemplo disso é o 11 de abril de 2002.
Apoiados por parte do exército e pela mídia privada, tentaram um golpe de estado em 2002 e retiraram Chávez do poder por menos de 2 dias. Os golpistas indicaram o dono de um canal de televisão, Carlos Carmona para assumir a presidência, fecharam o congresso, destituíram juízes, cassaram mandatos, decretaram o estado de sítio, fecharam o ministério público e outras instituições. Não sabiam os golpistas a força e determinação do povo venezuelano. Milhões de pessoas saíram às ruas exigindo a volta do Presidente e os militares leais a Chávez e à Constituição daquele país retomaram o poder e Chávez voltou mais fortalecido do que nunca. Hoje é sabido e notório que o golpe foi financiado e planejado por Washington.
Chávez liderou 17 eleições, venceu 16. Mudou a Constituição Federal e a colocou para aprovação em referendo, venceu. Criou o PSUV – Partido Socialista Unido de Venezuela, que conta com 2 milhões de filiados. Chávez ainda foi audacioso, criou um artigo na Constituição Federal daquele país que possibilita a sua saída do poder antes do término do seu mandato. Para isso, basta que os interessados consigam um certo número de assinaturas para a realização de um plebiscito. A oposição conseguiu as assinaturas e o plebiscito aconteceu. A vitória foi do movimento “Chávez no se vá”. Até Jimmy Carter, ex-Presidente dos EUA afirmou que a Venezuela vive uma democracia intensa.
Vi e vivi os anos 2000 com grandes esperanças na mudança do continente. Vi a criação da ALBA – Aliança Bolivariana para as Américas, em contraposição à ALCA, dos EUA. Vi a criação do Banco do Sul, que visa financiar o crescimento dos países do continente, trata-se de um banco supranacional, baseado na solidariedade e não no puro enriquecimento. Vi e vivi a criação da Telesur (www.telesurtv.net), canal de televisão que visa integrar os países e promover a informação alternativa aos meios privados. Vi e vivi a criação da UNASUL – União das Nações Sul-Americanas, que pretende fazer frente a organismos onde os EUA dominam, como OEA. Vi e vivi a criação da CELAC – Comunidade dos Estados Latino Americanos e do Caribe, como proposta de integração dos países da América, sem, é claro, os EUA. Isso demonstra a política externa e a grande liderança de Chávez no mundo, como esperança contra o neoliberalismo.
Em junho de 2011, Chávez anuncia que está com câncer, maligno, na região pélvica e passa a se tratar com sessões de quimioterapia e radioterapia. Grande homem, de garra, luta até o último dia. Dizia o Comandante que “amor com amor se paga”. Conhecido por suas intervenções na televisão onde cantava, declamava poesias, dançava, Chávez se torna um grande líder que inspirou milhões pelo mundo.
Quando partiu dessa vida, deixou seu exemplo para calar os agorentos e descrentes na humanidade. Há sim pessoas que pensam e agem pelo “amor ao próximo”, há sim pessoas que não se vendem. Há grandes exemplos que podemos seguir. Como seu sucessor, indicou Nicolás Maduro, que um mês após a morte do Comandante Supremo, venceu as eleições, em 14 de abril do ano passado.
Confesso que quando Chávez morreu, chorei por alguns dias. Toda essa trajetória desse mito e minha trajetória pessoal me vieram à mente. Temi pelo fim da revolução, não nego, pois conhecendo a história, sei que o Imperialismo Ianque não mediria esforços para acabar com a Revolução que inspirou e inspira o mundo. Minha maior alegria é saber que a obra de Chávez foi tão profunda que hoje na Venezuela, há um povo e um exército que se fundem num corpo único e ninguém nem nada derrotará a Revolução. Chávez foi invencível e como dizem os próprios venezuelanos: Chávez somos millones!