quarta-feira, 14 de maio de 2014

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Mídia e Fascismo "despercebido"

Isso é "liberdade de imprensa"?

Uma brincadeira de facebook me inspirou a escrever sobre um tema tão complexo a partir de um vídeo considerado “uma boa arma” para a classe média papagaia “anti-PT”.

Meu amigo Igor Borges postou esse vídeo no meu perfil de facebook, o que me fez sentir desafiado.



Pois bem, Igor Borges, confesso que vi sua postagem diretamente colocada no meu mural com a pergunta: “Onde estão os defensores desse governo" pelo celular. Meu aparelho não visualiza vídeos. Vi também que outro amigo a quem considero e respeito muito, o Guilherme Dore perguntava: “E agora, José?”. Me senti "desafiado"... rsrs...

Não que eu seja um defensor apaixonado do governo, muito pelo contrário, quem me conhece sabe que não milito por governo, mas pela minha classe.

Como não pude ver pelo celular fiquei curioso e quando cheguei em casa fui ver o vídeo “desafiador”, que seria aquilo que poderia me deixar sem argumentos?

Quando abri o vídeo, logo identifiquei um jornalista dos mais fascistas e extremamente vinculado aos valores da extrema direita. Trata-va se um jornalista que faz a “classe média conservadora e alienada gozar”, mas não me lembrei o nome do figura.
Já começam na bancada jornalística, formadora de opinião o “jornalismo imparcial” com uma aberração histórica, mentirosa e ABSURDA: “o Paraguay não goza de mais liberdade do que o Brasil”, esbravejava o "comentarista". Para justificar essa grosseira “opinião” repete, o incapaz, o “jargão” talvez mais saboroso para o banquete de hipocrisia da classe média: “o brasileiro não faz nada”, com ar de desdém e superioridade típica dos detentores do pensamento colonizado.
Esse jornalista não tem embasamento histórico algum para começar suas inverdades ideologicamente comprometidas. Sua linha política é clara, situa-se entre os “intelectuais” que compõem “análises” com os olhos e mãos alinhados à política acéfala “anti-PT” que ocupa os meios de comunicação privados.

Nossos meios de comunicação, majoritariamente empenhados em deteriorar a imagem desse governo progressista, de centro-esquerda, associados e ligados umbilicalmente a interesses esconômicos e estrangeiros muito maiores cumprem seu papel: alienar.

Está em curso um processo político, um embate histórico dos mais significativos da história recente não só do nosso país, mas mundial. Está em jogo mais do que o “debate anti-governo ancorado num discurso “moralista”, contra a “corrupção”. O Brasil é a bola da vez nesse tabuleiro mundial e as grandes corporações não medirão esforços para retomarem seu projeto neoliberal (privatizações, desconstrução do Estado e entrega da riqueza nacional ao capital internacional, precarização do trabalho...).

Não sejamos manipulados: e os escândalos dos adversários desse governo, porque não são tão apurados e escancarados e repetidos milhares de vezes? Entendido isso, considerando que a corrupção não é mãe do sistema, mas filha do sistema, devemos lutar contra a corrupção em todas as esferas, no campo político da direita, da esquerda e dos que se acham indiferentes ou acima das ideologias.
 
Não é uma disputa entre os éticos contra os corruptos que estão no poder, mas uma disputa de projetos políticos, uns mais populares, comprometidos com as causas sociais e mais independente externamente e um projeto de “realinhamento” com o “norte” e medidas de “austeridade” em nome do projeto neoliberal.

Mas vamos ao que interessa: o que diz aquele que "desmascara" e que alguns classificam como "o crítico", o que "diz o que precisa ser dito", o que se faz "pedra no sapato" de um governo a ponto de ser perseguido?

Os "argumentos" do "jornalista"
Primeiramente, esse energúmeno desconhece que o Presidente paraguaio está no poder por causa de um GOLPE DE ESTADO, dos mais fresquinhos arquitetados pela cartilha estadunidense e todo seu apoio logístico. O Presidente do Paraguay, Fernando Lugo, eleito com apoio popular foi deposto por um GOLPE DE ESTADO em junho de 2012. A reforma agrária que começava a avançar no país de maior concentração de terras do mundo (latifúndios ocupam quase metade do país), com amplo apoio popular foi interrompida por uma ação dos setores conservadores, apoiados pelos meios de comunicação nacional e internacional que insistem em silenciar sobre o golpe de estado acontecido “ontem”.
A primeira colocação do jornalista pode ser analisada de duas formas: pela ignorância ou pelo olhar crítico. É possível que passemos a repetir as informações vazias, superficiais e ideologicamente comprometidas com o discurso rancoroso da direita. Esse segmento que detém os meios de propagação (ou repetição) da “opinião pública” é o segmento que não aceita estar há 11 anos fora do poder, justamente no memento de maior seqüência de anos de DEMOCRACIA.
O governo Lula e Dilma implantaram muitos e dinamizaram muitos CONSELHOS, estimulado a política de Conselhos Municipais, Estaduais e Nacionais. Participei de algumas delas, como a Conferência Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, em 2007. Nessa conferência avançamos muito nas políticas de proteção e promoção dos direitos. É possível que seja desconhecimento, mas não desse jornalista. O jornalista demonstra claramente através de seu “embasamento”, ou “justificativa” que não conhece nada de nada sobre democracia ao comparar a democracia recente paraguaia e brasileira.

Ameaças e milícias virtuais? Se são milícias eu com certeza sou um “miliciano”, ou não? Perseguições? Meu Deus! Há um plano de perseguições orquestrado e o condutor dessa malevolência é, sem sombra de dúvidas, o governo federal, mais especificamente, o PT. Se há, podemos então comparar esse governo a ditaduras totalitárias, que possuem essa característica, de perseguição política aos opositores e censura.
Polícia Federal sendo utilizada politicamente, ah, ta, em que caso ULTRA EXPLORADO PELA MESMA MÍDIA QUE ATACA DIARIAMENTE ESSE GOVERNO: Mensalão? Quem sustentou todo o processo e investigação do mensalão por um acaso foi a PM de MG, sob mando de Aécio Neves?
Marco Civil da inernet. Eu li o projeto, inteirinho e desafio alguém a me provar que o foco central do projeto não é cobrar dos provedores obrigações, sigilos e que representa uma RESPOSTA SOBERANA E DIGNA do nosso PAIS (pais esse que a classe média ama desprezar) a um dos maiores escândalos e ações do imperialismo ianque, a ESPIONAGEM denunciada por Edward Snoden.

O Marco Civil foi amplamente comemorado por movimentos sociais respeitados e atuantes. Pode haver discordância em alguns pontos, como também tenho, mas não se mede uma ação política pela sua superfície, é necessário aprofundar.
Quanto aos “argumentos” que o jornalista vomita: “acham que pra ser ditadura precisa ter tanque na rua, mas não, é só olhar os projetos que o PT tem aprovado: direitos humanos e essas coisas”. Alguém em sã consciência e com mínimo conhecimento histórico irá dar crédito a um argumento que desqualifica um governo ao classificá-lo como ditadura por estar este se empenhando na legislação de direitos humanos?

Já sei, ia me esquecendo, a classe média assinante da Veja que desconhece nomes como Milton Santos, Florestan Fernandes, geralmente inerte na história tem outro prazer que a leva ao gozo: amaldiçoar essa história de Direitos Humanos. Do mais profundo de sua leitura “imparcial e argumentativa” despejam repetindo como papagaios que “verdade” de que os direitos humanos defendem bandidos, sem entenderem essa política e filosofia de um projeto de civilização diferente, que jamais se encerraria num aspecto da humanidade.

Critica o governo porque o governo está trabalhando na legislação de direitos humanos. Só lhe faltou tempo para entrar noutros assuntos em que a classe média e elite quase se copulam ao especularem sobre a sexualidade das pessoas, a origem, posição social, etnia, o machismo, dentre tantos outros “desmandos da política ditatorial do PT nos últimos anos”. Vai dizer como o Jair Bolsonaro, ex-Capitão da Rota: “A rota mata primeiro pra depois ver quem é”?. Estão no mesmo balaio de valores de intolerância. Quem critica os direitos humanos não sabe o que significou e significa a sua construção.

O jornalista é contra o PLANO NACIONAL DE DIREITOS HUMANOS? Jura que alguém vai até o meu mural colocar um jornalista criticando o PNDH????????????????

Muito, mas muito baixo! Sinceramente, como professor avalio a opinião do estudante, mas procuro contribuir para que ele aprenda a construir e sustentar sua opinião. Dessa forma, se me permitem falar como profissional (esperando ser respeitado como qualquer outro), esse jornalista não iria obter aprovação numa avaliação de dissertação. Ele não argumenta, empobrece sua defesa com seu “anti-petismo” explícito e não conhece os fatos históricos. Pra piorar o cara usa como principal “argumento” a política de direitos humanos.


OBS: Gosto de expor o pensamento e respeito opiniões divergentes e linguagens ponteagudas dentro do estilo respeitoso.
OBS de cientista político "chato" que sou: desafio a expor outra leitura. Se ainda assim continua acreditando nos "argumentos" do jornalista, cuidado, pode ser doença... rsrs

terça-feira, 4 de março de 2014

Chávez, o Libertador!



por Diney Lenon de Paulo


 “Los que mueren por La vida no pueden llamarse muertos” – Alí Primera

Há exatamente um ano juntamente com companheiros da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB, por volta das 18h, estava eu num ônibus, rumo a Brasília para participar da Marcha Nacional das Centrais Sindicais, engajado na luta por direitos para a classe trabalhadora, quando recebi a trágica notícia: Chávez havia falecido.
A notícia, de certa forma esperada, transformou aquela viagem de 14 horas, num momento de profunda tristeza, dúvidas, lágrimas contidas, uma angústia sem medida. O câncer consumiu o valente Comandante, que lutou até o último segundo de vida. Saia da vida para consagras-se, eternizar-se pela história. Como diz o jornalista Arthur Amorin, “Y ahora Fidel?”, no título de seu livro, me vinha à cabeça: E agora América Latina, e agora Venezuela? Mesmo sabendo que uma revolução não se faz somente com líderes, mas, sobretudo com o povo e sabendo a enorme consciência que adquiriu a classe trabalhadora venezuelana, em minha mente martelava: Serão fortes para enfrentar a ganância imperialista? Haverá liderança na Venezuela que fique à altura do processo revolucionário implementado por Chávez? Quanto à segunda pergunta, a resposta era e ainda é: Não!
O dia 6 de março de 2013 foi um dia de milhares de bandeiras vermelhas na Esplanada dos Ministérios, um dia de luta da classe trabalhadora. Homenagem mais bonita não seria possível: 40 mil trabalhadores em coro: Comandante Chávez, presente!
Mas não havia mobilização, luta e gritos de ordem que estancassem a dor que jorrava do coração. Falecia naquele dia o maior líder de toda a América Latina e um dos maiores líderes revolucionários da história! Para mim, que cresci “politicamente” junto com a Revolução Bolivariana, era como perder o chão, navegar a deriva, sem rumo, indeciso. Era o dia 5 de marços de 2013 um dia que marcaria minha vida: O dia que colocaria toda uma revolução à prova. Sem a presença física de seu líder, restava ao povo bolivariano, seguir a revolução diante dos gigantescos ataques que viriam.
Lembro perfeitamente da minha infância quando ouvia algo sobre a Venezuela: misses, mulheres bonitas encantando o mundo! Lembro-me também que Venezuela para mim, além de um país de “chicas hermosas” tinha outro significado: a seleção de futebol acostumada a levar goleadas. Era raro um jogo onde a Venezuela não levava três, quatro, até oitos gols numa partida, ainda mais quando o adversário se tratava de Brasil ou Argentina. Essa era a imagem que tinha da Venezuela quando criança, nada mais, o que é compreensível para uma criança dos anos 1980 no Brasil.
Na adolescência, já mais interessado nesse mundo, nas pessoas e iniciando uma vida de sonhos para além das fantasias de infância, me interessei por poesia (Ferreira Gullar, Pablo Neruda, Carlos Drummond), por música punk, de protesto. Era eu, um “headbanger punk”, que adorava a banda Garotos Podres e odiava a escola com seu formato autoritário. Não é por menos que a lendária “Dona Elvira”, diretora do David Campista, escola onde estudei até a sétima série, me convidou a “retirar-me” daquela instituição quando me rebelei contra a proibição do uso de boné. Não sabe ela que bem me fez, por mais paradoxo que pareça ser essa conclusão, vinda de um professor. Ao ser rejeitado pela escola, fiquei aproximadamente 4 anos longe dessa instituição, vivendo experiências que marcariam minha vida.
Entrando na vida adulta, lá pelos meus 18, 19 anos, já me interessava por política, livros e tinha a orientação de um amigo professor que me apresentou as idéias libertárias e me ensinou a sonhar para além do próprio umbigo. Nessa época, ainda vivendo a “Vida Loka”, conheci pessoas de outros países, do Peru, Bolívia, Colômbia, que eram artesãos que viajavam pela América. Encantei-me muito com esse espírito aventureiro. Não sabia eu, que daqueles contatos e experiências, nascia um grande amor, um amor por nossa América, nossa gente.
Vivendo experiências em viagens com mochilas nas costas, sem dinheiro (“caminhando contra o vento, sem lenço e sem documento”), leituras e contatos, percebi que era necessário me engajar em alguma coisa que fizesse sentido e diferença não só para mim, mas para o mundo. Sem condições financeiras, nem herança, nem família rica, após concluir o Ensino Médio em 3 meses através do CESEC, tentei um vestibular para o curso de Ciências Sociais, com uma única esperança: ser aprovado em primeiro lugar, já que a faculdade contemplava o primeiro colocado com bolsa integral de estudos. Naquela época, anos 1990, não havia ENEM, PROUNI, nada. Eis que o resultado não poderia ser melhor: primeiro colocado, com a melhor nota de redação (me lembro do tema: o atentado terrorista do World Trade Center). Me lembro também que a frase final da redação era: “A dor do povo estadunidense é legítima e tão grande quanto a dor dos povos provocadas por seu governo”.
Inicia-ve o novo século, o novo milênio e eu também passava por profundas mudanças. Ao iniciar os estudos acadêmicos passei a estudar Ciência Política e ouvia constantemente notícias da Venezuela, mas não de suas “hermosas muchachas”, nem de seu futebol insípido, mas de um tal Presidente Hugo Chávez, um homem aparentemente nacionalista, que , dentre outras frases polêmicas se destacava: “Ianques de mierda, que se vayan al carajo!”. Isso, devido ao meu espírito libertário, anárquico, me encantava como poesia. Passei a pesquisar sobre esse “mal educado” Presidente que peitava a maior potência militar e econômica da história.
A Venezuela sempre foi um país rico, mas marcado por uma gigantesca desigualdade social. Esse país possui o “outro negro” tão cobiçado por potências imperialistas, possui uma das maiores reservas de petróleo do mundo. Os EUA eram grandes aliados do país sul-americano. O barril de petróleo era vendido a U$ 14 para o Tio Sam e Hugo Chávez havia alterado a relação com os EUA e hoje mesmo sendo o maior comprador de petróleo venezuelano, os ianques têm de pagar aproximadamente U$ 100 pelo barril, enquanto o venezuelano, hoje, paga U$ 0,7 pelo litro da gasolina. Isso desde os primeiros estudos me intrigou muito: Um Presidente que aumenta o preço do petróleo para “El diablo” (nas palavras de Chávez, durante discurso na Assembleia da ONU) e reduziu o preço dos seus derivados para seu povo. Não era um nacionalista qualquer. A curiosidade me fez escravo e ali estava um universitário interessado em América Latina não mais por questões culturais e pela beleza da língua criolla, mas por política, geopolítica e imperialismo.
O interesse pelo estudo da realidade venezuelana tinha como pano de fundo uma questão ideológica: era eu, com meus 16, 17 anos um anarquista inconseqüente, que ao estudar a ciência política percebeu que o sonho de igualdade proposto pelos libertários só é possível com uma disciplina e caminho socialista. Sabia eu que Chávez era um nacionalista, grande admirador de Fidel Castro, defensor da Grande Pátria de Bolívar. Esperava eu que Chávez de declarasse socialista tão logo.
O petróleo na Venezuela sempre foi fornecido quase “de graça” aos EUA. Em 1989, obedecendo a ordens do Fundo Monetário Internacional – FMI, o governo venezuelano privatizou serviços, aumentou impostos e a população pobre saiu às ruas para protestar. Era 27 de fevereiro. Em dois dias o exército, sob o mando de Carlos Andrés Perez, matou mais de mil pessoas. Esse fato ficou conhecido como “El caracazo”. Não sabia a elite mancomunada com as multinacionais que esse massacre marcaria profundamente muitos militares venezuelanos, que perceberam que estavam a usar armas contra seu próprio povo, a favor do interesse internacional e não da população. Entre os militares descontentes estava Chávez, que liderava um movimento chamado como “Movimento Bolivariano”, inspirado nos ideais do libertador Simon Bolívar, o patriota Venezuelano que expulsou os espanhóis no século XIX e propunha a união dos países da América Latina numa “Grand Pátria”.
Com o passar dos anos, estudando, mas, sobretudo, acompanhando diariamente os fatos, lendo jornais e revistas alternativos aos da grande imprensa privada (burguesa), vi os anos 2000 marcarem a história da América Latina com a mudança de paradigma. De uma região dócil e submissa aos interesses imperialistas dos EUA, a América do Sul ia se tornando uma região hostil às políticas ditadas pelo FMI, por Washington. Vivi a esperança da verdadeira independência latino-americana e a cada dia ficava mais claro como a imprensa capitalista atacava qualquer ação de Chávez que para favorecer o povo desfavorecesse a elite e o interesse do capital.
Chávez foi o grande líder desse processo de ruptura, de libertação e integração dos países hermanos de América iniciado por Simón Bolívar, no século XIX. Chávez, militar de origem simples, o menino que vendia laranjas para ajudar a avó em Sabatena, cidade extremamente pobre da Venezuela, chegou ao poder ao se tornar conhecido por tentar derrubar o governo de Carlos Andrés Perez em 1992, num levante cívico-militar. O levante falhou, mas projetou a liderança de Chávez para todo o país. Ficou dois anos preso e ao sair, se candidatou a Presidente em 1998, vencendo uma adversária, ex-miss universo, era o duelo da “bela contra a fera”.
Com discurso popular, franco e pedagógico, prometeu incorporar o povo na política e transformar a Venezuela numa democracia participativa, direta e não mais uma democracia representativa, de “representantes” distantes do povo. Prometeu e assim o fez. Me lembro do dia que vi num jornal, lá pelos anos 2000, 2001, o Presidente da Venezuela sendo chamado de “populista” (que no senso comum político é quase um oportunista, enganador) por ter ido pessoalmente a uma favela em Caracas onde as chuvas causaram enorme prejuízo e mortes. Chávez era atacado pela imprensa por estar com os pés no barro, ajudando a retirar a sujeira de uma casa. Além dessa imagem, me marcou o fato do presidente, constantemente apedrejado pela imprensa, ter ordenado que a população daquela favela deixasse o local e se mudasse para um prédio de propriedade de empresários italianos, onde seria inaugurado um hotel cinco estrelas. O próprio exército se incumbiu de ajudar as famílias. Parte das famílias que não couberam no “hotel gringo”, foi levada para o Palácio Presidencial e outros prédios do governo com a promessa de saírem de lá somente quando suas casas estivessem prontas. Houve quem não aprovou essa medida, é claro, os empresários italianos. Chávez tinha lado e quando se tem lado, inimigos aparecem. Minha avó, que nada entedia de política me dava conselhos na minha infância que me vinham à mente quando via os exemplos de Chávez: “Na vida, ou se é santa ou se é puta”. Chávez não era mentiroso, nem “acendia uma vela para Deus e outra para o capeta”, Chávez estava do lado dos pobres. Os inimigos que Chávez estava conquistando eram poderosos e os aliados eram como ele, mestiços, de origem humilde.
Nas aulas de Ciência Política, me recordo, aprendi sobre nacionalismo, direita, esquerda, populismo, elitismo e outras tantas teorias e formas políticas. Me interessou muito o nacionalismo de Perón, na Argentina, de Vargas, no Brasil e Cárdenas, no México. Esses presidentes que fizeram história, foram corajosos ao nacionalizar empresas estrangeiras em seus territórios. Eles pensaram no futuro dos seus países. Nenhum deles era socialista, mas defendiam que a riqueza nacional deveria servir à nação e não ao capital estrangeiro.
Chávez nacionalizou o petróleo venezuelano e mudou a política externa. Priorizou a relação com os países da América Latina. Cristão fervoroso, defendia que o “pão deveria ser dividido” não só com os pobres do seu país, mas com os “hermanos” de outros países e passou a vender petróleo abaixo do preço de mercado para países pobres, inclusive para pessoas pobres dos EUA. A elite Venezuela, acostumada com a frieza da relação comercial capitalista, esbravejava pelos quatro cantos.  Não aceitava a burguesia venezuelana, que seus privilégios estavam se pulverizando em esperança para outros povos e o governo dos EUA temiam que Chávez se tornasse exemplo, afetando a lógica individualista e egoísta do seu sistema da “liberdade”.
Com esse discurso e prática de Chávez, as aulas de Marxismo na faculdade me pareciam mais reais, pois Lenin, na Rússia de 1917 já alertava que o socialismo só é possível com o internacionalismo, com a união dos trabalhadores. Marx disse isso em 1848, em seu célebre manifesto: “proletários de todo o mundo uni-vos”. Chávez demonstrava seu internacionalismo com sua característica única, baseado em princípios cristãos. Eu que não me considerava cristão, inclusive porque não frequentava meu catecismo com a Dona Palmira na Igreja de São Domingos nos anos 1980, preferindo jogar Super Mário Bross na casa de um coleguinha, me via seduzido pela releitura do Cristianismo feita por Chávez. Logo eu viria a entender que Chávez se aproximava da Teologia da Libertação.
O polêmico Presidente, tão atacado pela imprensa brasileira e capa da Revista Veja algumas vezes, retratado pelo panfleto semanal da direita como ditador buscou laços com China, Rússia, Índia, Brasil para diminuir sua dependência dos EUA nas relações comerciais. Suas atitudes e seu discurso aberto e objetivo conquistaram milhões de venezuelanos e gente do mundo todo. Com o fim da URSS nos anos 1990, a esperança de um novo socialismo surgiu nas palavras de Chávez, um “socialismo do século XXI, uma mistura de Marx e Cristo”.
Vi os anos 2000 colocarem a América Latina como o centro político do mundo. Vi os EUA enviarem 160 mil soldados para o Afeganistão, com a desculpa de capturar Bin Laden (um ex-aliado dos EUA contra a URSS nos anos 1980). Vi O Iraque sendo invadido porque os EUA apresentaram “provas” na ONU de que Sadam Hussein possuía armas de destruição em massa e passei anos esperando e ainda espero as provas. Vi o imperialismo ianque de empenhando no controle do petróleo pelo mundo e nossa região que eles consideravam “seu quintal” elegendo governos mais independentes, mais nacionalistas e menos subservientes aos ditames de George Bush, o maior assassino que vi nos últimos anos.
Como reflexo das políticas neoliberais, de privatizações, flexibilização de direitos e venda do patrimônio nacional, outros países na América do Sul passaram a eleger presidentes mais “à esquerda”, como é o caso de Evo Morales (o sindicalista da Bolívia), o primeiro presidente índio de um país de maioria indígena (curiosidade: o presidente que antecedeu Morales, mal falava a língua do seu povo e se mudou para Miami quando Morales nacionalizou o gás boliviano), Rafael Correa (Equador), Nestor Kirschner (Argentina), Lula (Brasil), Tabaré Vasquez (Uruguai), Daniel Ortega (Nicarágua). Fui testemunha e mais do que isso, fui, com todo orgulho, “agente” desse processo, lutei muito para a eleição de Lula no Brasil e participei juntamente com vários companheiros da campanha que sepultou o projeto da ALCA – Área de Livre Comércio das Américas. Ainda me lembro de Chávez, ao lado de Maradona e Evo Morales, no estádio do River Plate, em Mar Del Plata, Argentina, cantando junto com 30 mil pessoas: Alca, Alca... al carajo! Foi lindo! O projeto de Bush para engolir nosso continente foi sepultado com a aliança de Brasil, Argentinal, Venezuela e Bolívia.
A América Latina dos anos 2000 é reflexo do “estupro” ao qual fomos submetidos nos anos 1990, praticado por governos sem compromisso algum com seu povo, mas sim com as multinacionais. Na Bolívia, antes de Morales, tiveram a audácia de privatizarem até a água potável, tudo em nome de uma multinacional chamada Bechtel Corporate, que Morales, quando eleito, expulsou do país.  Lembro-me de centenas de manifestantes diante da Bolsa de Valores de São Paulo levando paulada da polícia quando tentavam barrar a privatização da Vale do Rio Doce. Não conseguiram, vendida por 3,4 bilhões de dólares, a Vale lucrou em apenas um ano, 12 bilhões e hoje sua exploração de minério não pertence aos brasileiros. Imagino Getúlio Vargas como deve se contorcer na cova. Chávez além de ser fruto desse processo, foi um líder, um inspirador, um pedagogo revolucionário, que ensinou o povo pobre, os moradores dos barrios (favelas) a participarem da política e levantou novamente a bandeira do socialismo quando o capitalismo cantava sua vitória, com o “fim da história”. Vivi isso, sou testemunha viva disso!
O grande apoio popular de Chávez entre a imensa maioria da população venezuelana se dá através de suas políticas públicas, das “missões”, como “La misión Robison”, que alfabetizou milhões de venezuelanos e consagrou a Venezuela ao posto que poucos países do mundo conseguiram: país sem analfabetos! Cresci ouvindo que somente Cuba havia eliminado o analfabetismo em todo o continente americano. Inspirados em seu libertador nacional, José Martí, os cubanos reafirmam: somente um povo culto pode ser livre!
A “misión barrio adentro”, com parceria de Cuba, levou 40 mil médicos para as favelas, cidades distantes, montanhas e zonas rurais e indígenas, diminuindo consideravelmente os alarmantes índices sociais venezuelanos que as políticas neoliberais deixaram como herança para o chavismo. A operação “milagro” que levou a Cuba 15 mil venezuelanos para fazerem cirurgias oftalmológicas é exemplo da mudança que o governo liderado por Chávez implentou. A mission sonrisa, levou atendimento odontológico a mais de 300 mil pessoas nos bairros pobres da Venezuela, o que fez com que o povo pobre, maioria da população, enxergasse no governo um governo do povo e para o povo.

Hoje são mais de 700 mil casas entregues a famílias pobres, além da criação de universidades por todas as cidades venezuelanas. As casas entregues à população contam com lavanderia coletiva, horta comunitária, creche e posto de saúde. A população é responsável por gerenciar os conjuntos habitacionais e as decisões devem ser tomadas em assembléias. Chávez dizia: é preciso radicalizar a democracia, de baixo para cima! O povo deve ler a Constituição, saber das leis, dos seus direitos para defendê-los!
Essas mudanças não se deram em meio a um mar de rosas. Para efetuar as mudanças, Chávez teve que retirar privilégios de uns 10% da população, parcela essa que desde então não tem feito outra coisa a não ser conspirar contra o governo para retomarem o que consideram ser “seu”. Um exemplo disso é o 11 de abril de 2002.
Apoiados por parte do exército e pela mídia privada, tentaram um golpe de estado em 2002 e retiraram Chávez do poder por menos de 2 dias. Os golpistas indicaram o dono de um canal de televisão, Carlos Carmona para assumir a presidência, fecharam o congresso, destituíram juízes, cassaram mandatos, decretaram o estado de sítio, fecharam o ministério público e outras instituições. Não sabiam os golpistas a força e determinação do povo venezuelano. Milhões de pessoas saíram às ruas exigindo a volta do Presidente e os militares leais a Chávez e à Constituição daquele país retomaram o poder e Chávez voltou mais fortalecido do que nunca. Hoje é sabido e notório que o golpe foi financiado e planejado por Washington.
Chávez liderou 17 eleições, venceu 16. Mudou a Constituição Federal e a colocou para aprovação em referendo, venceu. Criou o PSUV – Partido Socialista Unido de Venezuela, que conta com 2 milhões de filiados. Chávez ainda foi audacioso, criou um artigo na Constituição Federal daquele país que possibilita a sua saída do poder antes do término do seu mandato. Para isso, basta que os interessados consigam um certo número de assinaturas para a realização de um plebiscito. A oposição conseguiu as assinaturas e o plebiscito aconteceu. A vitória foi do movimento “Chávez no se vá”. Até Jimmy Carter, ex-Presidente dos EUA afirmou que a Venezuela vive uma democracia intensa.
Vi e vivi os anos 2000 com grandes esperanças na mudança do continente. Vi a criação da ALBA – Aliança Bolivariana para as Américas, em contraposição à ALCA, dos EUA. Vi a criação do Banco do Sul, que visa financiar o crescimento dos países do continente, trata-se de um banco supranacional, baseado na solidariedade e não no puro enriquecimento. Vi e vivi a criação da Telesur (www.telesurtv.net), canal de televisão que visa integrar os países e promover a informação alternativa aos meios privados. Vi e vivi a criação da UNASUL – União das Nações Sul-Americanas, que pretende fazer frente a organismos onde os EUA dominam, como OEA. Vi e vivi a criação da CELAC – Comunidade dos Estados Latino Americanos e do Caribe, como proposta de integração dos países da América, sem, é claro, os EUA. Isso demonstra a política externa e a grande liderança de Chávez no mundo, como esperança contra o neoliberalismo.
Em junho de 2011, Chávez anuncia que está com câncer, maligno, na região pélvica e passa a se tratar com sessões de quimioterapia e radioterapia. Grande homem, de garra, luta até o último dia. Dizia o Comandante que “amor com amor se paga”. Conhecido por suas intervenções na televisão onde cantava, declamava poesias, dançava, Chávez se torna um grande líder que inspirou milhões pelo mundo.
Quando partiu dessa vida, deixou seu exemplo para calar os agorentos e descrentes na humanidade. Há sim pessoas que pensam e agem pelo “amor ao próximo”, há sim pessoas que não se vendem. Há grandes exemplos que podemos seguir. Como seu sucessor, indicou Nicolás Maduro, que um mês após a morte do Comandante Supremo, venceu as eleições, em 14 de abril do ano passado.
Confesso que quando Chávez morreu, chorei por alguns dias. Toda essa trajetória desse mito e minha trajetória pessoal me vieram à mente. Temi pelo fim da revolução, não nego, pois conhecendo a história, sei que o Imperialismo Ianque não mediria esforços para acabar com a Revolução que inspirou e inspira o mundo. Minha maior alegria é saber que a obra de Chávez foi tão profunda que hoje na Venezuela, há um povo e um exército que se fundem num corpo único e ninguém nem nada derrotará a Revolução. Chávez foi invencível e como dizem os próprios venezuelanos: Chávez somos millones!


segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Marxismo, Imperialismo e Racismo no século XX



O reconhecido pensador Domenico Losurdo busca na filosofia da história a lógica racista que atravessa o século XX, segregando negros e chega até os tempos atuais avançando contra povos árabes e muçulmanos.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

História de resistência popular. Beato José Lourenço e o Caldeirão da Santa Cruz do Deserto



Comunidade religiosa era liderada pelo beato José Lourenço e dividia produção e lucros. Acusados de comunistas, foram massacrados pelas forças militares em 1937.

A comunidade religiosa do Caldeirão, liderada pelo beato José Lourenço, descendente de negros alforriados e discípulo de Padre Cícero, ousou desafiar o poder do latifúndio e propor uma sociedade mais justa e humanitária, mas foi brutalmente reprimida pelas forças do estado.

O Caldeirão de Santa Cruz do Deserto, no município de Crato, Cariri Cearense, era composto por milhares de camponeses e romeiros que vivam na comunidade, trabalhavam coletivamente e dividiam o lucro com a compra de remédios e querosene.
Ela chegou a ter mais de mil moradores e recebeu flagelados da seca de 1932 que assolou o nordeste.

A organização da comunidade teria incomodado os coronéis, latifundiários e ,posteriormente, o governo Getúlio Vargas. Em 1937, acusados de comunistas, eles teriam sido bombardeados pelas forças do Governo Federal e da Polícia Militar do Ceará e enterrados em vala comum.

O episódio pode ter sido o maior massacre da história brasileira, com mais de mil mortos.

76 anos depois, os corpos dos romeiros ainda não foram encontrados e não existe um documento oficial que registre o acontecimento. O exército nega o massacre.

Indenização

Em 2008, a ONG cearense SOS Direitos Humanos entrou com um pedido na justiça pedindo a procura, identificação, enterro digno e indenização dos descendentes dos mortos no Caldeirão.

A ação foi arquivada, mas a ONG pediu novas buscas à Justiça.

O documentário O Caldeirão de Santa Cruz do Deserto (1985, 96 minutos), de Rosemberg Cariry, conta a história a partir de depoimentos dos remanescentes e dos símbolos da cultura popular. O filme foi encontrado no canal de Daniel C. Valentim no Youtube.

Fonte: 
http://catracalivre.com.br/geral/cidadania/indicacao/caldeirao-de-santa-cruz-do-deserto-o-massacre-que-o-brasil-nao-viu/

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Movimentos Sociais, América Latina e Contra-Hegemonia

por Diney Lenon de Paulo, idos de 2005.



A América Latina compõe um novo espaço político, uma nova correlação de forças entre os povos secularmente excluídos, as massas e trabalhadores subempregados, camponeses sem terra, indígenas, sem teto, estudantes, centrais sindicais, movimentos organizados e as classes burguesas locais, entreguistas, latifundiários do poder da terra, transnacionais exploradoras e acumuladoras de riqueza e banqueiros, parasitas do trabalho em função do capital.
O desmonte do estado nacional feito sob a égide do neoliberalismo, acentuadamente na década de 1990, a privatização dos setores estratégicos para o desenvolvimento de qualquer nação soberana, a formação de blocos econômicos de poder, os chamados monopólios das transnacionais, a formação dos blocos de mídia (meios de comunicação de massa, tv, jornais, internet, filmes, músicas, visuais...) toda essa transformação do capital, em sua formação, digamos, “mais cruel”, compõe o que se pode afirmar sob a ótica marxista, o “imperialismo, fase superior do capital”.
Considerada pela visão imperialista como “o quintal da América”, a América Latina teve na década passada o avanço desenfreado do capital internacional, sedento em se apoderar de nossas riquezas, de nossa cultura, impondo sua forma de pensar e agir, destruindo tudo o que é nacional, em função de seus interesses de dominação. Governos fantoches, subservientes ao capital internacional, ao interesse das multinacionais proliferaram a concepção liberal da tão aclamada “globalização”. Nosso continente foi engolido pela globalização enquanto nossos governantes faziam o desmonte do estado, a entrega do patrimônio público às transnacionais e também, contraditoriamente, não aplicando a reforma agrária, deixando milhões de pessoas entregues à sorte da vida.
Cada país, com suas devidas peculiaridades, teve sua, “antítese”, digamos que teve sua “resposta” frente ao avanço do capital. De forma breve, algumas das mais destacadas respostas às contradições que o neoliberalismo impõe. Façamos uma leitura sobre as contradições, ou seja, pensemos como Marx, busquemos as contradições que o neoliberalismo impôs e quais os reflexos dessas contradições, qual o desenvolvimento organizacional do movimento de resposta ao neoliberalismo. Sempre considerando a via materialista da história, buscando compreender como a produção da sociedade pode determinar o desenvolvimento das contradições e dos campos de atuação política.
 Em 1994, o México, mais precisamente na região de Chiapas, uma espécie de “nordeste brasileiro”, despontou para o mundo o Movimento Zapatista, liderado pelo SubComandante Marcos, um exército de mais de 15 mil soldados, homens e mulheres, lançou para o mundo o grito dos indígenas frente à sua condição subumana de existência. Nesse país, que teve a sorte de ser vizinho da maior potência imperialista da história, disse certa vez um revolucionário mexicano: “pobre México, tão longe de Deus, tão perto dos EUA!”. Os tratados de livre comércio assinados pelo governo mexicano favoreceram as empresas transnacionais, que aumentaram seus lucros às custas do aumento do desemprego e do “arrocho salarial”, formação do subemprego como categoria presente. A população que vivia na linha da pobreza antes dos acordos comerciais do NAFTA (Área de Livre Comércio da América do Norte) era de 35%, chegando aos dias atuais a 75%, dados levantados pelo Movimento Jubileu Sul, articulador do movimento contra a ALCA no continente.
Os zapatistas, nesse momento, marcham por todo o país a caminho da capital, levam aos quatro cantos do país a “outra campaña”. Um movimento que propõe um espaço alternativo aos meios tradicionais de política. Os zapatistas levantam uma demanda, que segundo, seu comandante, Marcos, se não atendidas, podem levar o país a uma guerra civil. A mobilização dos indígenas e das massas excluídas tem ganhado força a cada quilômetro percorrido nesse país há uma luta contra as instituições, um movimento que vai muito além dos partidos institucionais, é uma mobilização pela transformação das relações políticas entre classes sociais.
Poderíamos aprofundar a análise em cada país, mas isso tornaria o texto por demais extenso. De forma breve e resumida o México é uma região de nosso continente que concentra uma grande potencialidade revolucionária, o Exército Zapatista de Libertação Nacional – EZLN é uma realidade, uma força política que é fortalecida (aí reside a contradição) pelas políticas econômicas que formam um massa de miseráveis que não encontram alternativa, senão lutar contra o sistema. Ao ser indagado há poucos dias sobre o MST, no Brasil e o governo Lula, Marcos foi categórico: o governo Lula é a alternativa que os EUA têm para a América latina! Há uma dicotomia entre as demandas dos movimentos sociais e a política implementada pelo governo petista. Perguntado se acreditava que o MST poderia estar prestes a dar o “salto qualitativo” dos zapatistas, Sub-Comandante Marcos foi objetivo: Sim!
Nosso país tem seus avanços frente à política neoliberal. A década de 1990 para o Brasil foi a década da destruição. Iludidos pelo plano real, pelo tetra, pelo tenta, pela mídia e pelo discurso de FHC: “O Brasil tem de se preparar para a globalização, pois ela é um fenômeno inevitável”, nosso país deixou de ser país (se é que um dia o foi). Bancos se apoderaram de nosso sistema econômico e, pior, de nosso sistema político. A privatização foi realizada de forma desmedida e vergonhosa, como exemplo cito a privatização da vale do Rio Doce que causou “espanto” em todo o mundo. Em conseqüência dessa política aumentaram os “contingentes miseráveis e perigosos”.
O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra – MST é, sem dúvida, o maior ponto de referência do Brasil quando se pensa a luta de classes. Organizado em quase todos os estados desse imenso país, o MST organiza trabalhadores urbanos (que um dia tiveram seu vínculo com a terra, mas foram expulsos), camponeses, pequenos agricultores em forma de movimento pela reforma agrária. O projeto de reforma agrária proposto pelo movimento é, na verdade, um projeto de nação, baseado em novas formas de relação produtiva, cresce a cada mobilização, é perseguido pela mídia, mas mesmo assim continua a construir a dignidade no campo.
Estudantes também se organizam nos centros urbanos, UNE e UBES são duas das maiores forças do movimento estudantil brasileiro. Com vínculos com o governo, ou seja ao estado, têm um posicionamento mais “comportado”. Uma força que desponta é o Movimento Passe Livre – MPL, mais radical, meio anáquico, mas com grande capacidade de mobilização. As centrais sindicais, enfraquecidas pelo fraco engajamento sindical dos trabalhadores, à mercê do patronato, não oferece perigo à ordem. Muitos são os movimentos de resistência no Brasil, os movimentos sociais procuram esse entrosamento, para uma luta conjunta maior. Essa busca e essa prática está presente no MST, maior movimento social do continente.
Pensando em América Latina e resistência ao imperialismo e sobre as condições objetivas de formação de uma luta continental, não se pode negar que a Ilha mais famosa do mundo, por sua perseverança e sua capacidade de promover o socialismo, resistindo fortemente ao império. Cuba é um ponto de referência inquestionável, há mais de 47 anos se firmando como nação soberana, a caminho do socialismo.
Em Cuba, os avanços nos direitos humanos são objeto de admiração em o mundo. Saúde, que significa vida; educação, que significa, crescimento e humanização; moradia e trabalho, que significa dignidade são avanços que fazem do povo cubano o povo mais culto e corajoso do mundo, a menos de 150Km da potência se afirmam como povo soberano. Com o apoio solidário da Venezuela, Cuba hoje encontra no seu principal aliado a referência que tinha há alguns anos na URSS. Avança no socialismo, tem seus problemas, mas inquestionavelmente o pais com menos desigualdade social das Américas e também com maior desenvolvimento social.
Venezuela é por excelência uma liderança, uma nova esperança na utopia socialista. Líder do continente contra o imperialismo, o governo de Chavez, sustentado pelos círculos bolivarianos é o país onde a contradição do sistema capitalista se manifesta de forma acentuada. Durante décadas, a riqueza oriunda do petróleo sempre foi “dividida” entre a elite anti-nacional. Liderado pelo Cel. Paraquedista Hugo Chavez Frias, o povo venezuelano, marcadamente a população mais pobre, ou seja, os trabalhadores caminham para o socialismo, não é um caminho para amanhã e com certezas, mas um caminho a ser feito e o está. A nacionalização da riqueza, do petróleo é a resposta mais forte que poderia ser dada ao neoliberalismo. Venezuela está à frente nesse processo, mas tem na sua “rabeira” um outro governo, novo, recém eleito, o governo do Movimiento Al Socialismo, o MAS, de Evo Morales, Na Bolívia.
Por determinação de mais de 92% da população boliviana, por ordem da constituição daquele país, Morales deu mais um golpe no imperislimo, nacionalizou os recursos naturais do país e deu início à “Revolución Agrária”. Eleito por uma massa de indígenas, por movimentos de bairros, por centrais sindicais, o MAS é o partido que emergiu do movimento social, assume o poder e tem na massa sua força, pois dela vem seu poder. A Bolívia tem um caminho de avanços pela frente, de desafios, mas com um contexto favorável, com uma massa mobilizada, disposta a lutar, se for preciso, para ver as mudanças necessárias.
Argentina é um exemplo de como o neoliberalismo foi cruel com o continente. Até mesmo o país “mais desenvolvido”, com traços “europeus” teve grandes mobilizações promovidas pelos “piqueteros”, há o desenvolvimento da mobilização de massas na Argentina, Nestor Krischiner, tem feito uma política de enfrentamento ao Fundo Monetário Internacional – FMI, mesmo sem o apoio necessário do Brasil, o presidente argentino tem feito um embate ao capitalismo internacional na economia Argentina, um exemplo é a retomada por parte do estado dos serviços de água e saneamento na região de Buenos Aires.
No Peru, Humala não venceu a majoritária, mas a coalizão de partidos e movimentos ganhou força, aumentou sua participação no parlamento e a base se fortaleceu no processo de mobilização eleitoral, não é uma derrota para as forças progressistas da América Latina, mas uma etapa da luta, que não é linear, mas dialética. Indígenas fazem marchas, bloqueiam estradas em protestos contra o Tratado de Livre Comércio com os EUA, há uma mobilização social em desenvolvimento, logicamente que não encontrará apoio no estado, mas isso amplia o foco de leitura da prática revolucionária, pois faz da luta, uma luta não pelo estado, mas contra o estado.
Na Colômbia, a ultra-direita de Uribe se manteve no poder através do “terror de estado”, baixa presença na votação, ameaça de bombas em regiões onde Uribe perderia, dessa forma. Mas não há como negar que a presença da luta armada há mais de quatro décadas das Forças Armadas revolucionárias da Colômbia – FARC é uma realidade e que a guerrilha tem grandes vitórias, como o fato de controlar cerca de 40% do território do pais, impondo sua forma de governo, suas leis e seu sistema de produção, melhorando a vida de milhares de camponeses e trabalhadores urbanos.
Para não ser extenso por demasiado, nem poderia subir mais a América, nem aprofundar a parte sul do continente. Fica aqui uma leitura superficial do processo que marca o continente americano. Há um momento em que a luta não é uma opção consciente, pode ser mesmo inconsciente, num primeiro momento, mas é determinada por uma condição material, irresistível.
A precarização da vida, a exploração do trabalho e a concentração da riqueza são como “incentivadores” para a luta revolucionária contra a ordem. O que é a ordem? É a manutenção do status quo, a permanência das relações de dominação. Em todo o continente há uma luta contra essa ordem, há avanços em todas as regiões, não há como negar. Por isso há uma histeria por parte da burguesia, expressa nos seus meios de comunicação e fabricação de ideologias. O avanço do imperialismo cria as condições objetivas para a organização da classe proletária resistir e avançar sobre o “calcanhar de Aquiles” do capitalismo, sua natureza exploradora, concentradora e excludente. Na Venezuela, na Bolívia, na Colômbia, no Brasil, são os trabalhadores que estão fazendo roda da história girar. O inimigo dos povos está claro para os movimentos e isso dá a organicidade necessária para o avanço das lutas antiimperialistas.
            As condições estão dadas, resta aos movimentos sociais do continente, aos governos progressistas e aos partidos realmente marxistas se engajarem na luta continental, cada qual com suas peculiaridades, mas com um horizonte de novas possibilidades para o povo latino-americano, de integração como sonhou um dia Simon Bolívar, ou José Martí, ou Che Guevara. A marcha caminha, forte, determinada, o capital, não recua, faz enfrentamento, mas perde espaço. Marx dizia: a burguesia cria, acima de tudo, os seus próprios coveiros”. Isso não é uma “pré-visão mística”, mas uma leitura materialista sobre as relações de produção capitalista. A história somos nós!

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Músicas Revolucionárias de América Latina

Todo Cambia



Todo Cambia


Mercedes Sosa

Cambia lo superficial
Cambia también lo profundo
Cambia el modo de pensar
Cambia todo en este mundo

Cambia el clima con los años
Cambia el pastor su rebaño
Y así como todo cambia
Que yo cambie no es extraño

Cambia el mas fino brillante
De mano en mano su brillo
Cambia el nido el pajarillo
Cambia el sentir un amante

Cambia el rumbo el caminante
Aúnque esto le cause daño
Y así como todo cambia
Que yo cambie no es extraño

Cambia todo cambia
Cambia todo cambia
Cambia todo cambia
Cambia todo cambia

Cambia el sol en su carrera
Cuando la noche subsiste
Cambia la planta y se viste
De verde en la primavera

Cambia el pelaje la fiera
Cambia el cabello el anciano
Y así como todo cambia
Que yo cambie no es extraño

Pero no cambia mi amor
Por mas lejo que me encuentre
Ni el recuerdo ni el dolor
De mi pueblo y de mi gente

Lo que cambió ayer
Tendrá que cambiar mañana
Así como cambio yo
En esta tierra lejana

Cambia todo cambia
Cambia todo cambia
Cambia todo cambia
Cambia todo cambia

Pero no cambia mi amor...


Yo pisaré las calles nuevamente 


Compositor: Pablo Milanés  -  Intérprete: Pablo Milanés 


Pablo Milanés é um cantor, guitarrista e compositor cubano. Compôs várias músicas com letras fortes, de marcado sentimento revolucionário, inclusive tendo tido parcerias com brasileiros, como Chico Buarque (música, Yolanda).


Yo pisaré las calles é uma música de grande sentimento revolucionário e retrata o momento do Golpe de Estado no Chile, perpetrado por miliares em 1973, contra o presidente progressista democraticamente eleito Salvador Allende, morto num bombardeio no dia 11 de setembro ao Palácio La Moneda.

Yo pisaré las calles nuevamente 
de lo que fue Santiago ensangrentada, 
y en una hermosa plaza liberada 
me detendré a llorar por los ausentes. 

Yo vendré del desierto calcinante 
y saldré de los bosques y los lagos, 
y evocaré en un cerro de Santiago 
a mis hermanos que murieron antes. 

Yo unido al que hizo mucho y poco 
al que quiere la patria liberada 
dispararé las primeras balas 
más temprano que tarde, sin reposo. 

Retornarán los libros, las canciones 
que quemaron las manos asesinas. 
Renacerá mi pueblo de su ruina 
y pagarán su culpa los traidores. 

Un niño jugará en una alameda 
y cantará con sus amigos nuevos, 
y ese canto será el canto del suelo 
a una vida segada en La Moneda. 

Yo pisaré las calles nuevamente 
de lo que fue Santiago ensangrentada, 
y en una hermosa plaza liberada 
me detendré a llorar por los ausentes 

sábado, 15 de junho de 2013

O Brasil acordou!


por Diney Lenon de Paulo

Atenção manifestantes, ou "vândalos", como diz a grande mídia.

A manifestação nacional convocada pelo MPL para o dia 17 toma outras proporções diante do crescimento da violência dos militares contra o povo em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre e outras cidades.

A questão maior agora não são os "centavos" dos aumentos. Vinte centavos não é o grande problema do povo brasileiro. Mas diante das condições de vida da população, das ações do governo a favor de empresários, banqueiros, contra a vontade do povo (ex: Copa do Mundo, ao invés de saúde, educação e trabalho) explodiram nas capitais brasileiras manifestos cívicos protagonizados por uma juventude nova, a juventude conectada na internet que sabe buscar informações alternativas às grandes mídias.

A violência desproporcional dos militares de São Paulo contra civis desarmados, as prisões arbitrárias e a manutenção de manifestantes presos, ou "presos políticos" é uma clara demonstração da situação do país: Vivemos o crescimento da democracia e, mais uma vez a história se repete, o pavor da elite governante contra "povo na rua" gera reações violentas. Vejamos o exemplo dos anos 1960, quando o povo ocupava as ruas e havia um governo mais progressista, logo veio o Golpe de 1964.

Determinações judiciais proibindo manifestações durante jogos da "Copa das Confederações" são também exemplos de que nosso "Poder Judiciário" é "anti-povo”, ou seja, classista, do lado da elite empresarial, dos banqueiros e dos latifundiários. Vejamos que a "Justiça" no Brasil está expulsando índios de suas terras (MS) para manter o domínio de fazendeiros grileiros, bandidos, assassinos. A "Justiça" no Brasil determina fiança de R$ 20.000 para manifestante e ainda quer credibilidade? A "Justiça" no Brasil multa sindicatos que fazem greve enquanto Carlinhos Cachoeira e Paulo Maluf (Ex-Governador de São Paulo procurado pela Interpol) vivem tranquilamente.

O que estamos vivendo, com a mais absoluta certeza de um militante, mas de um Cientista Social, é o crescimento da consciência popular no Brasil. Parece que nos cansamos de ver franceses na rua, italianos, gregos, espanhóis lutando por seus direitos e dizer:"brasileiro não faz nada". Os brasileiros são "filhos que não fogem à luta", basta ver nossa história de forma mais apurada (Palmares, Confederação dos Tamoios, Revolta dos Malés, Movimento Abolicionista, greves e ocupações de terras, como exemplo apenas) . Com o "fim" da Ditadura Militar há mais de 20 anos, essa nova geração está tendo a oportunidade de aprender (re-aprender) a fazer política da boa, na rua, enfrentando a injustiça que o "Estado" brasileiro não desfaz porque não é um "Estado do povo", é um Estado da burguesia. A Juventude está dando exemplo e com certeza esse grande movimento estará nos livros de história futuros (E eu é que não quero ficar de fora disso! Rsrs)

Poder judiciário, governos do PSDB, DEM e a grande mídia representam o que há de mais retrógrado no país e são comandados por grupos econômicos (empresários, multinacionais, banqueiros, fazendeitos) e indivíduos que não amam seu povo brasileiro, não sofrem coma dor do seu povo, pelo contrário, são uma elite nojenta que ama “fazer compra em Miami, levar os filhinhos para Disney”. Vejamos em São Paulo: estudantes clamando: "Sem violência" e qual a ação dos militares comandados por Alckimin (PSDB)? Porrada! E a mídia? Chama o povo de “vândalos” (apesar de ter havido uma pequena mudança depois que seus repórteres foram atacados, tamanha a violência dos militares contra tudo e contra todos que estavam nas ruas).

Em ditaduras, manifestações são proibidas e há "toques de recolher", quando o governo proíbe que grupos de pessoas fiquem na rua. É isso que está acontecendo. Com medo de perderem o controle sobre o "pacato povo brasileiro", a reação violenta deve ser "exemplar" para coibir que outros se aventurem a lutar por seus direitos. O que querem é que fiquemos atentos à Copa, às novelas, ou seja, querem que permaneçamos alienados diante da exploração cotidiana.

Nesse sentido, a luta no Brasil hoje, graças à burrice do governo paulista e da truculência dos militares ultrapassa a questão do aumento das passagens, mas é uma luta pela democracia verdadeira, pelo direito do povo ocupar as ruas e se manifestar, mas acima de tudo, ser ouvido!
Quando ouço aquela historinha de "deitado eternamente em berço esplêndido", me sinto incomodado, pois como diz Renato Russo, nosso passado (de acordo com a história oficial da elite) é um "passado de absurdos gloriosos". Na verdade, um filho dessa Pátria não foge à luta e é por isso que o povo deve ocupar as ruas e praticar a desobediência civil, ao melhor estilo de Ghandi, Luther King, Mandela, personagens que entraram para a história por desafiarem leis injustas e sonharem e viverem o sonho de outro mundo.

A juventude não é o futuro do Brasil, ela é o presente!

Avante, povo brasileiro! Nenhum passo atrás!

Venceremos!